fbpx
PUBLICIDADE


Após influenciar formação de ministérios, Olavo reage sobre cobertura da imprensa

Professor e ideólogo conservador de Jair Bolsonaro foi destaque em reportagens e entrevistas dos principais veículos de jornalismo do país após influenciar escolhas nas pastas da Educação e Relações Exteriores

- Publicado no dia
Olavo de Carvalho (Foto: Jornal do Empreendedor)

Após influenciar a escolha de dois ministros para o futuro governo, Olavo de Carvalho –  principal ideólogo de Jair Bolsonaro – reagiu nesta sexta (23) e sábado (24) nas redes sociais sobre a cobertura e atenção que a imprensa tradicional está lhe dando.

Sobre a reportagem do jornal O Globo que destacou a frase “sou irresistível” no título, Olavo disparou: “A incapacidade de discernir entre um gracejo irônico e uma afirmação literal pode ser sintoma de doença mental ou, na hipótese mais branda, de analfabetismo funcional”. [1][2]


PUBLICIDADE



“Qualquer que seja o caso, ela já se tornou endêmica entre os jornalistas brasileiros”, concluiu, complementando que virou costume de “procurar nas falas de conservadores alguma frase ou palavra à qual se possa, forçando a barra até o último limite da semântica, dar um sentido comprometedor e fazer dela o centro e o topo da matéria”. [4]

O professor do Seminário Online de Filosofia também criticou a falta de bagagem e desconhecimento dos jornalistas que foram elencados para lhe entrevistar. Sem citar nomes, relembrou seu início na carreira jornalística:

“Quando entrei no jornalismo, nenhum jornal ou revista mandaria um repórter sem alguma cultura musical entrevistar um maestro ou um total ignorante de literatura entrevistar um poeta. Hoje, fazer isso é a norma”, disse, afirmando ainda que nunca recebeu um entrevistador que houvesse lido seus livros ou assistidos seus cursos. [3][6]

Reportagem de ‘O Globo’ sobre Olavo destacou frase de brincadeira no título. Atributo foi criticado (Foto: Reprodução/O Globo)

Olavo também afirmou que “se não tivesse mais leitores do que qualquer órgão da ‘grande mídia’, estaria phodido (sic)”, mas elogiou a cobertura do programa de rádio “Morning Show”, exibido na Jovem Pan. [5]

“A chegada da direita ao poder pelo voto popular foi o acontecimento mais traumático na vida da classe jornalística brasileira. Ela nunca imaginou que tamanha calamidade pudesse lhe acontecer, coitadinha”, ironizou. [7]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.