fbpx
PUBLICIDADE


Kim Kataguiri sugere alternativa para resolver as polêmicas decisões do STF

Liderança do Movimento Brasil Livre, Kim acredita que apenas atacar o método de indicação política dos ministros não ajuda a solucionar problema

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Estadão

O coordenador nacional do Movimento Brasil Livre e pré-candidato a deputado federal, Kim Kataguiri (DEM), resolveu entrar na discussão sobre como o Supremo Tribunal Federal poderia melhorar sua atuação.

A corte tem sido alvo de críticas após decisões polêmicas como a soltura do ex-ministro José Dirceu, a cassação da decisão do juiz Sérgio Moro sobre o petista utilizar tornozeleira eletrônica e a retirada de Aécio Neves de processos ligados a corrupção. [1][2][3]

Em vídeo publicado no último dia 29, Kim propôs aos internautas o que considera uma saída para resolver a insatisfação que setores da sociedade vêm demonstrando com as decisões do órgão. [4]


PUBLICIDADE



O ativista começou dizendo que o modelo de indicação política é reproduzido do modelo americano e, portanto, não seria o problema em si.

O ideal, para o pré-candidato, seria “tirar a corte constitucional do Judiciário”, impedindo que o órgão permaneça como “instância recursal”. O STF deveria julgar apenas leis, e não casos concretos e ações penais.

Confira o vídeo:

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.