Sem entender a derrota, esquerda insiste em estratégia fracassada - Colunas - Boletim da Liberdade

Sem entender a derrota, esquerda insiste em estratégia fracassada

28.03.2019 06:12

Em visita ao Chile, no dia 21 de março, Bolsonaro recebeu críticas de lideranças da esquerda do país, o que já era esperado, tendo em vista o antagonismo de ideias (entre direita e esquerda). Mas o que vamos analisar hoje é a forma utilizada pela esquerda para criticar e, mais precisamente: como a esquerda está lidando com a derrota?

No Chile, Bolsonaro foi acusado de ser xenófobo, racista, fascista e misógino. Tais críticas são comuns e foram feitas durante todo o processo eleitoral. No entanto, tendo em vista a própria vitória de Bolsonaro, podemos observar que tais rótulos não “colaram” na figura do presidente. O Brasileiro não contaminado por ideologia, ao observar as condutas de Jair Bolsonaro, não consegue enxergar nele um sujeito que odeia mulheres, negros etc.

A esquerda continua utilizando o mesmo método de acusação, mesmo que este não funcione, mesmo que a acusação seja falsa. Ora, se essa forma de “oposição” não funciona, por qual motivo eles mantêm o mesmo método?

Não vamos dizer que a esquerda está (apenas) má intencionada, pois isso seria uma redundância. Nossa opinião é que a esquerda, além de tudo, está cega e mais doente do que nunca. Se encontra em um estado mortal, como costuma dizer o Deputado Paulo Eduardo Martins.

Acreditamos que Olavo de Carvalho, fazendo referência ao escritor Polonês Andrew Lobaczewski, diria que é uma situação de histeria; uma vez que o histérico não acredita no que está vendo e nos próprios fatos, mas naquilo que ele mesmo fala e no que imagina em sua própria cabeça. Nos parece ser realmente uma situação de histeria.

Ultimamente falam até em “Lesbocídio”, alegando que lésbicas são assassinadas exclusivamente por serem lésbicas. Ora, alguém acredita realmente que lésbicas, no Brasil, são assassinadas em massa, como em um cenário de terceira guerra mundial, simplesmente pelo fato de serem lésbicas? Nos parece ser, no mínimo, um enorme exagero.

Não negamos que possa ter existido um ou outro caso, e é claro que todos merecem a devida proteção garantida pela Constituição Federal. Mas obviamente não podemos dizer que o Brasil vive uma crise de homicídios contra lésbicas. Mas isso também faz parte do Modus operandi da esquerda: criar um problema, fazer propaganda brutal desse problema que não existe, para fazer você acreditar na existência dele e, depois, prometer a você que vai solucionar esse problema que nunca existiu.

O que a esquerda ainda não entendeu é que perdeu as eleições justamente por criar narrativas falsas. Só que a maioria das pessoas não cai mais nessas mentiras. No entanto, sabemos que eles continuarão com ataques mentirosos e enxergando coisas que não existem, tratando a direita como se fosse o próprio “bicho papão” materializado. Mas, afinal, o que esperar de gente que aceita o José de Abreu se proclamando presidente do Brasil?


Foto: Martin Bernetti / AFP