Sobre escolas e presídios - Jackson Vasconcelos - Boletim da Liberdade
PUBLICIDADE

Sobre escolas e presídios

21.09.2020 04:37

O tri-governador Leonel Brizola – governador do Rio Grande do Sul uma vez e duas, do Rio de Janeiro – e seu braço com a Educação, Darcy Ribeiro, repetiam, ao cansaço: “Temos que construir mais escolas, para construir menos presídios”. A linha de causa e efeito seria um espetáculo no conjunto de políticas públicas se funcionasse. Seria simples demais vencer o crime.

No entanto, o que temos visto no Rio de Janeiro e na sua capital ao longo do tempo é a construção de escolas e presídios para serem entupidos de alunos e presos sem que se tenha vitórias na educação nem vantagens sobre o crime. Somos um vexame nacional em Educação e combate ao crime, a despeito de todos os governadores do estado até Cabral e todos os prefeitos até Crivella terem sido inspirados por Brizola e Darcy.


PUBLICIDADE


Já tivemos Brizolões, construção de presídios de segurança máxima, UPPs, presença das Forças Armadas e na educação gente boa como Wilson Risolia e Cláudia Costin. Na Segurança Pública, generais, sociólogos, delegados da polícia federal, e nada disso surtiu efeito, seja na educação, seja no crime. Gastou-se uma dinheirama sem fim com uns e outros programas, ouvimos todas as teses, assistimos a seminários, temos sido convidados a reagir e nada disso tem adiantado.

As escolas, em especial as públicas, formam analfabetos funcionais e os presídios são escolas do crime, não reabilitam e não reeducam. Brizola e Darcy viam uma linha direta entre a ausência de escolas e presença de presídios, mas não ficaram entre nós, os vivos, tempo suficiente para assistir a construção de presídios especiais para quem teve excelentes escolas. Gente que tomou todas as instituições e agentes do Estado como coisas suas.

Onde está o problema? Perdoem-me a insistência. Uma vez mais volto ao Estado. Nele está o problema. O Estado Brasileiro é dadivoso por demagogia de seus agentes políticos, é um belo estímulo para os discursos, mas ineficiente, porque quem erra ou não faz bem feito não paga a conta da ineficiência.

O que é, afinal de contas, o Estado? Um organismo que pode estar a serviço de seus agentes ou de quem lhes pague as contas. Em que ponto se dá essa diferença? Muitos dirão no tipo de regime político, porque numa democracia, o Estado estaria a serviço de todos. Não é verdade, porque, mesmo numa democracia, o Estado pode estar a serviço exclusivamente de seus agentes, como acontece com a democracia à brasileira.

Nossa gente adora o Estado, com todo o peso que tem a palavra adoração. Por isso, repetidamente, nosso povo vota nos candidatos que lhes oferecem o Estado como supridor de todas as suas necessidades e expectativas, numa situação que considera o dinheiro dos contribuintes como propriedade dos agentes do Estado. Essa gente que está no Estado Brasileiro – com elogiável mas minoritária exceção – acredita, com convicção, que o Estados lhe pertence. Por isso, com alguns segundos no poder, já tomam as estruturas públicas de assalto.

A educação é função relevante para vencer o crime? O crime dos pobres e o crime dos ricos? Sem dúvida. Eu acredito nisso, mas porque compreendo as escolas não como prédios e sim como o conjunto de pessoas dedicadas ao ofício de ensinar de tal maneira que os alunos aprendam. Nessa estrutura de pessoas, os professores são a pedra de esquina.

Contudo, a esquerda – essa que governa o Estado do Rio e a Capital desde Brizola – entende que valorizar os professores é tê-los com salários altos o suficiente para serem remuneração digna, quando digna para eles é a mais elevada que todas as demais.

Sou também a favor de bons salários para os professores, mas entendo que valorizá-los é separar os melhores dos bons e os bons dos ruins, para que os bons e os melhores possam mostrar que, de fato, são preferidos no lugar dos ruins e que, chama-se a isso, mérito.

Adam Smith tem um conselho que está na abertura de todos os meus cadernos. Reproduzo-o aqui: “Os homens e mulheres produzem mais quando recebem a recompensa tanto da sua diligência e inteligência como as penalidades da indolência…”.

Brizola e Darcy e todos os discípulos deles detestam essa conversa de premiar pelo mérito e punir pelo mesmo critério. Só os liberais conseguem entender bem o que isso significa para o sucesso de uma política pública.


PUBLICIDADE