A estratégia é convencer e não agradar - Jackson Vasconcelos - Boletim da Liberdade

A estratégia é convencer e não agradar

16.03.2020 10:25

Qual a primeira providência para realizar uma campanha eleitoral? Muitos responderão com rapidez: fazer pesquisas!

Apesar de não dispensá-las e só conseguir realizar bem o meu trabalho orientado por elas, eu recuso a resposta. O discurso vem antes, porque ele é a peça que justifica a candidatura, dá sentido às pesquisas e faz a mágica do convencimento, objetivo essencial de uma campanha.

O candidato que não convence perde e, para convencer, ele discursa, conversa, escreve, decide, se comunica. Enfim, ele submete o discurso à avaliação dos eleitores e dos adversários.


PUBLICIDADE


Mas, há quem diga que o candidato pode, por disciplina e com bom treinamento, expor o que não pensa, para, tão somente, agradar aos eleitores. É verdade e isso tem sido comum.

Contudo, a opção por esse roteiro abriga fortes emoções. Eu diria, as mais fortes emoções que uma campanha eleitoral seja capaz de produzir. O alerta para isso vem da psicologia, que classificou os atos espontâneos do cérebro como “atos falhos”. Um candidato que ande a distribuir um discurso que trai o próprio subconsciente só para agradar aos eleitores, corre o risco permanente de, a qualquer momento, deixar escapulir o que está guardado no “fundo da alma”. E aí, ninguém mais segura, “a máscara caiu”.

Quando isso acontece, muita gente, com certeza, lamenta não ter escolhido o roteiro mais difícil, contudo, menos arriscado, de usar as pesquisas para saber em que tom e modo, o candidato deveria levar o que pensa para a campanha com o dever de convencer e não de agradar.

O “ato falho” é, portanto, uma contribuição da psicologia às campanhas eleitorais. É um elemento da estratégia dos adversários de candidatos que, já se sabe, falam, usam roupas, gestos e agendas só para agradar aos eleitores e não para convencê-los. Afinal, convencer dá mais trabalho do que agradar.

Quem pretenda ser candidato, teste o discurso que já está presente na consciência, não para ver se ele se encaixa no que quer o eleitor, ato de agradar, mas para entender como ele deve ser comunicado ao eleitor para convencê-lo.

Quem pretenda ser candidato, teste o discurso que já está presente na consciência

Outra orientação para os candidatos é que conheçam muito bem os seus adversários, para saber se o que eles pregam ou fazem está, de fato na história deles, porque, se não estiver, com certeza, também não estará no subconsciente. Aí, será só o trabalho de provocá-los quando eles estiverem em alto grau de exposição.

A história das campanhas tem muita coisa pra contar, de anteontem e de ontem. Em 1945, o major-brigadeiro Eduardo Gomes, uma figura masculina bela, tão bela que fez com que as mulheres das classes média e alta brasileiras vendessem doces (que receberam o nome de brigadeiro) para ajudá-lo na campanha.

Eduardo Gomes por estilo e imagem era considerado o candidato das elites. Contra ele estava Getúlio Vargas, “o pai dos pobres”, representado pela candidatura do General Eurico Gaspar Dutra. Pois bem, no dia 19 de novembro, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, o brigadeiro Eduardo Gomes referiu-se os eleitores do Getúlio Vargas como uma “malta de desocupados que apóia o ditador”, referindo-se a um bando.

O getulista Hugo Borghi correu aos dicionários para encontrar um outro significado para “malta”, que lhe servisse. Encontrou o sinônimo de “grupo de operários que percorrem as linhas férreas levando suas marmitas, marmiteiros”. Borghi foi às rádios e aos jornais com o discurso pronto: “O brigadeiro Eduardo Gomes disse que não precisa dos votos dos marmiteiros, dos pobres, daqueles que lutam pela vida, porque já tem o apoio dos ricos e grã-finos”. O fogo alastrou-se, porque o discurso do Brigadeiro, embora não fosse literalmente contra os pobres, carregou a imagem de um homem que, na verdade, tinha esse sentimento.

De anteontem, temos ainda o famoso discurso do presidente Fernando Collor de Mello, com a convocação para que o povo fosse para as ruas apoiá-lo. Em cada frase do discurso, disponível na internet, se percebe a mágoa e o ódio de uma pessoa, que já não conhecia esconder a arrogância.

De ontem, temos o exemplo do Ciro Gomes, que dispensa o cansaço com a lembrança. A imagem do machista fechou o circuito com o subconsciente dele e à tona veio o “ato falho”, sobre a razão da esposa Patrícia Pillar na campanha.

Os resultados de tudo isso e muito mais, a história tem em registro.

Hoje, as mídias digitais e o poder de comunicação das imagens em vídeo são campos férteis para o exercício de “atos falhos”. Todo cuidado é pouco!

Jackson Vasconcelos é autor do livro “Que Raios de Eleição é essa?”. Disponível para venda AQUI.
https://www.travessa.com.br/que-raios-de-eleicao-e-essa-como-sao-as-estrategias-na-politica-e-os-bastidores-de-campanhas-eleitorais/artigo/05857989-929b-45ff-b5ad-e8bff6970129

Foto: Marcello Casal Jr. (Agência Brasil)


PUBLICIDADE