fbpx

Mulher, o capital é seu!

Compartilhe

Por Samantha Teixeira*

No Dia Internacional da Mulher, é importante refletirmos sobre o papel do capitalismo na promoção dos direitos das mulheres. Muitas vezes, o sistema capitalista é criticado por ser desigual e favorecer apenas os mais ricos, mas a verdade é que ele tem sido fundamental para avanços significativos na luta pela equidade de gênero.

Um dos principais benefícios do capitalismo para as mulheres foi a chance de participar ativamente no mercado de trabalho. Antes de sua ascensão, as mulheres eram frequentemente excluídas do trabalho remunerado e confinadas aos papéis de donas de casa. Com a abertura de novas oportunidades econômicas, as mulheres puderam ingressar em diversas profissões e conquistar sua independência financeira.

Houve a ampliação dos seus direitos em áreas como educação, voto e propriedade, tendo como exemplo marcante a Revolução Industrial que deu novas perspectivas para as trabalhadoras.

Outro exemplo é a ascensão das mulheres em cargos de liderança e empreendedorismo. Atualmente, cada vez mais mulheres ocupam cargos de CEO, presidentes de empresas e líderes políticas, graças às oportunidades proporcionadas por este sistema.

Só no capitalismo, as mulheres têm a liberdade de empreender, a competição e a inovação são incentivadas – o que abre portas para que outras possam se destacar em suas carreiras e ascender de classe social. Este, sim, é um ambiente favorável para os negócios, independentemente do gênero, raça ou classe social.

Leia também:  Vice-Presidente do Uruguai marca presença no 2º Retiro do LOLA América Latina em Montevidéu, Uruguai

O feminismo liberal também colaborou para esse cenário pela sua abordagem individualista que coloca o foco na capacidade das mulheres de alcançar seus objetivos por suas ações e escolhas. Nele, é combatida a falsa crença de que as mulheres são menos capazes do que os homens, buscando eliminar a discriminação das instituições acadêmicas, no mercado de trabalho e em outros espaços.

Essa agenda aborda reivindicações das mulheres, desde o direito ao voto e acesso à educação até a igualdade de oportunidades sociais, políticas e econômicas. 

Apesar das críticas, o movimento promove mudanças culturais, reformas legais e a garantia de um tratamento justo em todos os aspectos da vida. Há também outras discussões – como os direitos reprodutivos, igualdade salarial, combate ao assédio sexual e violência doméstica.

A divisão do trabalho também tem impacto na valorização feminina na economia. Historicamente, as mulheres foram designadas principalmente ao trabalho reprodutivo e doméstico, enquanto os homens ocupavam posições de prestígio com salários altos. Isso resulta na limitação do crescimento profissional das mulheres, reforçando a disparidade. 

Leia também:  LOLA defende liberdade das mulheres em blitz do 8 de março

Nesse sentido, precisa haver mudança do paradigma a fim de reconhecer a importância e o impacto de suas atividades. Para elucidar a questão, é importante lembrar o papel das mulheres na política liberal e o que elas têm a dizer sobre o capitalismo. 

Mulheres como Margaret Thatcher, a primeira-ministra britânica conhecida como a “Dama de Ferro”, são exemplos de líderes que defendem o capitalismo como um sistema econômico que promove a prosperidade. Thatcher acreditava que este era o melhor caminho para garantir o crescimento econômico e a criação de empregos, especialmente para as mulheres.

Outra figura importante na política liberal é Ayn Rand, autora e filósofa que defendia principalmente o individualismo. Para Rand, o capitalismo era o sistema que permitia às pessoas alcançarem seu potencial máximo, sem a interferência do governo ou de qualquer autoridade central.

Essas figuras mostram que o capitalismo pode ser um aliado poderoso ao permitir que todas possam empreender e inovar. 

Por meio de eventos históricos, exemplos concretos e avanços significativos, podemos observar como este sistema econômico contribuiu para a emancipação das mulheres. 

É claro que ainda há muito a ser feito para que as mulheres sejam protagonistas em todas as esferas da sociedade, mas é inegável que o capitalismo e o liberalismo têm sido aliados importantes nessa luta. 

Leia também:  LOLA defende liberdade das mulheres em blitz do 8 de março

O que o LOLA acredita e faz pelas mulheres

A inclusão das mulheres no mercado de trabalho formal é uma das nossas bandeiras mais importantes por diversos motivos:

  • Reforçamos a força de trabalho das mulheres e seu papel essencial na sociedade.
  • Acreditamos que o trabalho seja uma forma de conquistar a independência, protagonismo e sustento próprio.
  • Entendemos que a presença das mulheres nesse ambiente contribui para desconstruir estereótipos e para promover oportunidades.

Para nós, o Dia Internacional da Mulher é mais do que apenas uma data no calendário. É um lembrete do progresso que fizemos e do trabalho que ainda precisa ser feito. É um dia para reconhecer as conquistas das mulheres ao longo da história e para inspirar futuras gerações.

O LOLA Brasil cresceu significativamente nos últimos anos, à medida que mais e mais mulheres se unem em busca da liberdade. Estamos orgulhosas dessa trajetória rumo a um mundo mais livre e próspero.

*Samantha Teixeira – Líder LOLA SP

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?