fbpx

Liberalismo é a sua defesa contra a tirania do estado

Compartilhe

Por Daniele Rosane Pereira*

“O que é o Liberalismo” de Donald Stewart Jr, é uma obra fundamental para aqueles que buscam iniciar o entendimento e as bases teóricas do liberalismo pela visão da Escola Austríaca de Economia. O autor tece o texto de maneira objetiva e acessível, com os principais conceitos e princípios do liberalismo, destacando os perigosos de um estado intervencionista e como este é capaz de destruir as liberdades individuais.

Donald Stewart Jr teve papel fundamental na divulgação das ideias liberais, sendo o fundador do Instituto Liberal no Brasil em 1983, responsável por traduzir e publicar inúmeras obras, desenvolver propostas liberais de políticas públicas em diversas áreas. Promoveu cursos de formação, seminários, fóruns, e pareceres sobre projetos de lei, além de ensaios de opiniões, palestras e muito mais.
Tudo isso com a finalidade de construir um Brasil mais livre e próspero para as pessoas. Um incansável ativista liberal, que com a experiência do seu trabalho, percebia as dificuldades de viver em um país tão sucateado por governantes que não se importavam com o futuro das pessoas e em especial com os mais pobres.

Lançado originalmente em 1985, o livro “O que é o Liberalismo”, assim como toda boa ideia, não fica ultrapassada, aliás continua mais forte, viva, urgente e necessária, principalmente num país como o nosso, que experimenta a trajetória de políticas protecionistas e intervencionistas, idealizadas por legisladores e chefes do executivo que idolatram o Estado provedor, pois dessa forma se torna mais fácil de trazer benefícios, mordomias e privilégios a eles mesmos.

Leia também:  Vice-Presidente do Uruguai marca presença no 2º Retiro do LOLA América Latina em Montevidéu, Uruguai

O liberalismo e os liberais se opõem a todo e qualquer privilégio sustentado com o dinheiro dos pagadores de impostos. O liberalismo não é a favor de proteger empresários, criar reservas de mercado, subsídios, distribuição de privilégios, criação de monopólios, aumento de impostos por exemplo. O liberalismo é a favor dos indivíduos, do livre mercado, da soberania dos consumidores, da cooperação social, da livre concorrência, da competição empresarial e não da proteção de uma casta dos amigos do rei.

A forma como o estado brasileiro gasta o dinheiro dos pagadores de impostos e como o país tem uma estrutura burocrática com excesso de regulamentações, que favorecem a criação de mais privilégios e regalias para membros do próprio governo: políticos e a elite do funcionalismo público, também é um questionamento que praticamente só se encontram em liberais.

Enquanto isso, a maioria da população é obrigada a arcar com uma pesada carga tributária, que não é revertida em benefícios reais para os cidadãos, porém, a elite do funcionalismo público conta com altos salários e benefícios exorbitantes.

Leia também:  LOLA defende liberdade das mulheres em blitz do 8 de março

A vida de quem deseja montar um negócio, gerar empregos e renda, para depender cada vez menos de políticos, não é nada fácil. Segundo o relatório Doing Business do Banco Mundial, o Brasil ocupa apenas a 124ª posição no ranking de facilidade de fazer negócios, atrás de países como Moçambique e Paraguai.

Isso mostra que abrir uma empresa no Brasil é uma tarefa complexa e demorada, que envolve uma série de procedimentos burocráticos e uma quantidade significativa de dinheiro em taxas e impostos. A falta de liberdade econômica e a excessiva regulamentação também tem impacto na qualidade de vida da população. A falta de concorrência em setores importantes, como transporte, energia, saúde, saneamento básico, entre muitos outros, leva a preços mais altos e serviços de baixa qualidade.
Para contextualizar com a realidade brasileira, segundo um estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), em 2021, o brasileiro trabalhou em média 151 dias só para pagar impostos ao governo. Isso significa que mais da metade do ano em geral é gasta para sustentar a máquina pública.

É importante destacar que é a população que sustenta a máquina pública através do pagamento de impostos. São os trabalhadores, empreendedores e empresários que geram as riquezas que mantêm o estado funcionando. Portanto, é necessário que haja uma mudança de mentalidade e um questionamento sobre a estrutura atual do estado, que privilegia os interesses de poucos em detrimento da maioria.

Leia também:  Vice-Presidente do Uruguai marca presença no 2º Retiro do LOLA América Latina em Montevidéu, Uruguai

É preciso que o estado tenha um papel limitado e que o empreendedorismo seja incentivado: é a ação humana dos indivíduos que movem um país, que são a força motriz de uma economia, inclusive para que haja mais liberdade de escolha e mais oportunidades para todos. É necessário que cada cidadão reconheça que sustentar centenas de políticos e toda a estrutura governamental não cabe mais no mundo contemporâneo, onde temos tanta tecnologia capaz de superar tantos obstáculos e desafios que políticos não querem ultrapassar .

Cada cidadão tem o poder de fazer a diferença através de suas escolhas e de sua atuação na sociedade. É necessário que haja uma conscientização sobre a importância do liberalismo e da autonomia individual para que possamos construir um país mais livre e próspero, e nas palavras do próprio autor que: deixe de ser “uma colônia do nosso próprio Estado”.

*Daniele Rosane Pereira é graduada em Letras e possui MBA em Política e Gestão Pública, e é líder do LOLA Joinville.

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?