fbpx
PUBLICIDADE

Desestatização: BNDES vende fatia bilionária que tinha da Vale

Debêntures foram comercializadas no montante de R$ 11,5 bilhões e estavam em posse do banco estatal desde a privatização da companhia
Caminhos da Vale operam na Mina de Conceição, em Itabira (MG) (Foto: Janaina Duarte/Divulgação Vale)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vendeu R$ 11,5 bilhões de debêntures que possuía na Vale. [1]

Estatizada em 1997, a empresa ainda tinha títulos da dívida em posse do banco estatal de investimento desde a privatização.

De acordo com o divulgado pelo UOL, as debêntures, enquanto não liquidadas, garantiam ao BNDES “receita líquida de algumas minas da Vale”, incluindo Carajás – a principal delas.





A própria companhia deve, segundo a publicação, recomprar os debêntures em breve, reduzindo seu endividamento.

Nas redes sociais, o ex-secretário de desestatização do governo Bolsonaro, Salim Mattar, celebrou a notícia.

“Menos estado e mais mercado! Depois de 24 anos, a União e o BNDES se desfizeram de suas debêntures participativas da Vale emitidas na privatização da empresa”, comentou.

Fundador da Localiza, o empresário, árduo defensor do liberalismo econômico, também ressaltou que “a desalavancagem dos bancos estatais é fundamental para a redução do tamanho do estado”. [2]









O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama