fbpx
PUBLICIDADE

Ministro da Saúde diz que a ‘ordem’ é ‘evitar lockdown’

Segundo Marcelo Queiroga, é necessário convencer as pessoas a respeitar o distanciamento social, mas evitar qualquer atalho impositivo
Marcelo Queiroga (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Substituto de Eduardo Pazuello, o novo Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem defendido as medidas de distanciamento social para combater a pandemia do coronavírus. Neste sábado (3), ele afirmou que a “ordem” é “evitar o lockdown” como recurso para esse enfrentamento.

“Evitar lockdown é a ordem, mas temos que fazer o dever de casa. Mas o dever de casa é de todos, da população. Por mais que nós falemos todos os dias sobre isso, não vemos a população tendo adesão a isso” sustentou o ministro, acrescentando que é preciso investir na persuasão. [1]

“Não adianta fazer isso à medida da imposição. Não é a lei que vai fazer isso, as pessoas têm que acreditar no que estamos fazendo”, justificou Queiroga. No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro, sem mencionar especificamente o conceito de lockdown, voltou a criticar o fechamento de estabelecimentos.





Em suas redes sociais, Bolsonaro publicou que o avanço da fome e do desemprego na pandemia do coronavírus seriam demonstrações de que ele sempre esteve certo em suas afirmações sobre o tema. Para o presidente, são consequências do “fecha tudo” e de uma “infrutífera busca de diálogo” que teria feito. [2]

De acordo com levantamento feito junto a Secretarias de Saúde por um consórcio de veículos de imprensa, mais de 19 milhões de pessoas já tomaram a primeira dose da vacina contra o coronavírus. Um total de 5.342.363 tomou a segunda dose. O país já alcançou a marca de 330.297 vítimas fatais da doença. [3]

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama