fbpx
PUBLICIDADE

Liberais criticam troca de comando da Petrobras após decisão de Bolsonaro

Personalidades como João Amoêdo, Gustavo Franco, Helio Beltrão e Vinicius Poit comentaram o anúncio feito pelo presidente após um dia de especulações sobre a troca da presidência da Petrobras
Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (19) a troca de comando da Petrobras, substituindo Roberto Castello Branco pelo general Joaquim Silva e Luna. A troca gerou duras críticas entre figuras e organizações do meio liberal. [1]

A expectativa de troca de comando já existia ao longo do dia, após circular uma declaração do presidente com duras queixas ao atual comando e suas políticas de reajustes no preço de combustível.

“Faça-os [reajustes], mas com previsibilidade, é isso o que nós queremos. Se lá fora aumenta o preço de barril do petróleo e aqui dentro o dólar está alto, sabemos das suas repercussões no preço do combustível. Mas isso não vai continuar sendo um segredo de Estado. Exijo e cobro transparência de todos aqueles que tenho responsabilidade de indicar”, disse.





As falas geraram quedas significativas no valor das ações negociadas da Petrobras ao longo dia, que caíram em cerca de 6% e que, com isso, puxou para baixo o Ibovespa. [2]

Presidindo a Petrobras desde o início do governo, Castello Branco foi indicação do ministro da economia, Paulo Guedes. Em março, ele poderia ser reconduzido para uma nova gestão à frente da companhia, o que não ocorrerá mais.

Repercussão entre os liberais

Fundador do Partido Novo, João Amoêdo disse que “a intervenção não surpreende”. “Surpreendente é que ainda existam liberais que não sejam oposição a este governo”, escreveu no Twitter.  [3]

O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, também juntou-se às críticas. Em curto comentário no Twitter, ironizou: “Boa tarde, Venezuela”. [4]





Gustavo Franco e João Amoêdo (Foto: Reprodução/Instagram)

Presidente do Instituto Mises Brasil, Helio Beltrão também manifestou-se sobre o episódio. “A velha política: interferência do controlador (no caso, a União) para direcionar uma empresa de capital aberto, com sócios no mundo todo (a Petrobras), conforme interesse do governo”, analisou. [5]

Líder da bancada do NOVO na Câmara, o deputado federal Vinicius Poit (NOVO/SP), por sua vez, alertou que “as consequências das políticas de controle de preço por interferência do Estado são drásticas” e defendeu nas redes sociais que “o que a gente precisa mesmo é privatizar e ter mais competitividade no mercado de combustíveis”. [6]

A associação Livres, por sua vez, considerou a troca de comando como “populismo” e disse que o ato foi “nada mais previsível”.

“Só existe uma solução de verdade para esse tipo de problema: a privatização”, posicionou o grupo liderado por Magno Karl em um tweet. [7]









O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama