fbpx
PUBLICIDADE

Cresce movimento para tentar impedir Bia Kicis de assumir CCJ

Parlamentares começam articular para tentar decidir a disputa pelo voto direto entre os membros da comissão, em vez do acordo feito entre os deputados como de praxe ocorre
Bia Kicis (PSL/DF) (Foto: Will Shutter/ Câmara dos Deputados)
Bia Kicis (PSL/DF) (Foto: Will Shutter/ Câmara dos Deputados)
PUBLICIDADE

O acerto nos bastidores para a indicação da deputada federal Bia Kicis (PSL/DF) para a presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados gerou nesta quarta-feira (3) reações negativas de muitos parlamentares, o que colocou um quadro de incerteza na nomeação. [1]

PUBLICIDADE

A escolha de Kicis, uma das deputadas mais próximas de Bolsonaro e também de Olavo de Carvalho, havia sido uma indicação do PSL, que foi a maior bancada que integrou o bloco de Arthur Lira (PP/AL), vitorioso para a presidência da Câmara dos Deputados. Além de anunciada por Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), a nomeação também havia sido confirmada pela própria Kicis nas redes sociais. [2][3]

Apesar de convencionalmente a distribuição da presidência das comissões ser feita em comum acordo entre os parlamentares, os membros delas possuem autonomia para elegerem seus próprios presidentes pelo voto direto.

PUBLICIDADE

Leia também:  Começa a tramitar PEC que aumenta número de ministros do STF

Esta é uma hipótese que, de acordo com veiculado por algumas publicações, ganha força caso o PSL não venha a indicar outro nome, menos polêmico. O desafio, portanto, seria garantir os votos necessários para que Kicis não seja derrubada em caso de disputa.

Críticas

Para a oposição e adversários, pesa contra Kicis o fato de a parlamentar ter sido investigada em dois inquéritos no STF – um sobre a proliferação de notícias falsas (fake news) e o hipotético apoio aos chamados atos antidemocráticos. Apesar disso, nenhum processo chegou a ser aberto contra a parlamentar.

Por ter pedido, no passado, impeachment de ministros do Supremo no Senado, houve a leitura, contudo, por parte de alguns analistas, de que a nomeação também poderia soar como uma instigação desnecessária à mais alta corte. A CCJ é classificada como a comissão mais importante da Câmara dos Deputados.

Leia também:  Liberais divergem sobre necessidade de convocação de Guedes

Nas redes sociais, Kicis afirmou que “não acredita que o STF esteja por trás” do que chamou de “campanha suja” para impedi-la de assumir a CCJ.

PUBLICIDADE

“Até porque os ministros da Corte conhecem o princípio da independência e harmonia entre os Poderes”, justificou, complementando que o movimento “parece mais uma jogada de grupos de interesse a quem minha atuação incomoda”. [4]

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?