fbpx
PUBLICIDADE

Fechamento de perfis: Livres cobra ‘explicações’ sobre decisão do STF

Entidade liberal de viés suprapartidário ressaltou que "independente" das opiniões "sobre condutas específicas", "ninguém deve ser impedido previamente de se expressar"
Foto: Reprodução
Perfil do presidente do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, foi bloqueado por decisão judicial (Foto: Reprodução)
PUBLICIDADE

A derrubada nesta sexta-feira (24) de perfis no Twitter e no Facebook de alguns dos alvos do inquérito de combate às fake news que tramita no Supremo Tribunal Federal gerou críticas entre algumas entidades e personalidades liberais. [1]

PUBLICIDADE

Dentre os perfis bloqueados no Brasil, estão os de influenciadores políticos alinhados a Jair Bolsonaro como Allan dos Santos, Bernardo Kuster, além de empresários como Luciano Hang e do presidente do PTB, Roberto Jefferson, condenado no processo do mensalão e que, recentemente, se aproximou do governo.

O movimento suprapartidário Livres pontuou que a medida de “derrubar contas bolsonaristas do Twitter é extremamente preocupante a abre precedente perigoso”. [2]

PUBLICIDADE

“Independente de nossas opiniões sobre condutas específicas, ninguém deve ser impedido previamente de se expressar. O combate efetivo a fake news ocorre com mais liberdade de expressão, não menos”, afirmou o grupo, liderado pelo empresário Paulo Gontijo.

Leia também:  Fux sugere que comportamento de Bolsonaro pode ser crime de responsabilidade

O Livres destacou ainda que, agora, o “STF deve explicações à sociedade brasileira sobre as razões que fundamentam essa decisão”.

Foto: Reprodução/Twitter

A decisão

A decisão do Supremo de bloquear as contas, ressaltou o jornal Folha de S. Paulo, já havia sido determinada em maio – mas apenas nesta quarta-feira (22) uma nova decisão do ministro Alexandre de Moraes reiterou a necessidade da ação, impondo multa às redes em caso de descumprimento.

Na peça, o magistrado, relator do inquérito, pontuou que o bloqueio das contas visa evitar “o cometimento de possíveis condutas criminosas” e que “diligências iniciais” indicariam “possível existência de uso organizado de ferramentas de informática, notadamente contas em redes sociais, para criar, divulgar e disseminar informações falsas ou aptas a lesar as instituições do Estado de Direito”.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama