fbpx
PUBLICIDADE


Em represália aos EUA, Irã ameaça ampliar enriquecimento de urânio

Afastamento do tratado internacional de 2015 se dá em meio a contestações das intenções do regime iraniano, críticas da comunidade europeia e mudança de postura norte-americana

- Publicado no dia
Hassan Rouhani (Foto: Atta Kenari / AFP)

A República Islâmica do Irã anunciou nesta segunda-feira (8) por meio do seu presidente, Hassan Rouhani, que pretende ampliar o enriquecimento de urânio para margens superiores aos limites previstos no acordo internacional firmado em 2015. Segundo agência atômica da ONU, esse processo já chegou a ter início. [1][2]

Na prática, a medida é vista como represália ao esvaziamento do acordo desde que os Estados Unidos, signatário durante a gestão Obama, mudou de postura e voltou a sancionar o Irã na gestão Trump. [3]


PUBLICIDADE



Como as condições mudaram, o país islâmico deseja pressionar a comunidade internacional para um novo acordo. A União Europeia afirmou que “está extremamente preocupada” com a nova postura iraniana. Quanto maior o domínio sob o enriquecimento do urânio, maior à possibilidade de o país construir uma arma nuclear.

O jornal The New York Times, em matéria publicada também nesta segunda (8), explica o que motivou a mudança de postura norte-americana.

“A aposta de Obama foi que o acordo de 2015 criaria confiança suficiente ou interesse financeiro por parte do Irã para tornar mais fácil estender as restrições. A administração Trump apostou no contrário: sem sanções, um Irã próspero se tornaria mais beligerante em relação aos Estados Unidos e perigoso para seus rivais regionais”, diz a reportagem, que aponta também que o Irã sustenta milícias beligerantes em diversas partes do Oriente Médio.

+ Após Irã derrubar avião de 130 milhões dos EUA, Trump autoriza ataque e recua

+ Trump admite que parou ataque ao Irã minutos antes: ‘não era proporcional’

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.