fbpx
PUBLICIDADE


Trump e Obrador comemoram acordo sobre imigração entre EUA e México

Após ameaça de Donald Trump em aumentar tarifas de importação de produtos mexicanos, presidente Lopez Obrador enviou 6 mil soldados para fronteira com a Guatemala para evitar fluxo da América Central

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Notícias ao minuto)

O presidente do México, López Obrador, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegaram a um acordo na última sexta-feira (7) que evitará a sobretaxação de produtos mexicanos que teria início nesta segunda-feira (10). [1][2]

No último dia 30, Trump havia anunciado uma escala progressiva de taxas que aplicaria sobre o México caso o país não eliminasse ou reduzisse drasticamente a quantidade de emigrantes ilegais cruzando a fronteira. As alíquotas começariam em 5% e terminariam, em outubro, em 25%, o que poderia ter grande impacto sobre as exportações mexicanas. [3]


PUBLICIDADE



A primeira medida que López Obrador se comprometeu a fazer para Trump é enviar para a fronteira do país com a Guatemala um efetivo de 6.000 soldados de sua Guarda Nacional. A ideia é impedir o fluxo de imigrantes que saem da América Central rumo aos Estados Unidos pelo México. [4]

Em troca, Trump teria prometido que daria melhor assistência aos imigrantes ilegais capturados nos Estados Unidos.

“Estamos muito animados com o novo acordo com o México. Gostaria de agradecer ao presidente Lopez Obrador e seu Ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard. Juntos, com todos os parlamentares dos Estados Unidos e México, vamos trabalhar para nosso acordo de imigração fique completo”, escreveu Trump no Twitter. [5]

Obrador também decidiu se manifestar neste sábado (8) na rede social sobre o acordo. Ele afirmou que levantará a Trump uma mão “aberta e franca” e “reitera a disposição à amizade, ao diáologo e a colaboração para o bem dos respectivos povos”. [6]

Eleito em 2016 para o seu primeiro mandato presidencial, Donald Trump tinha como um dos principais lemas de campanha a declaração de que “construiria um muro” com o México e que faria o próprio México pagar a conta. De olho na reeleição em 2020, o anúncio da super tributação ao México em decorrência da crise migratória foi, por isso, interpretada como parte de uma promessa cumprida – ainda que na mídia.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.