fbpx
PUBLICIDADE

NOVO lança resolução que proíbe mandatários de usar auxílio-moradia

Com a resolução, o deputado federal Alexis Fonteyne - até então, o único parlamentar da bancada da Câmara da legenda que não havia recusado receber o benefício - decidiu renunciar o recurso
Primeiros deputados federais eleitos pelo Partido Novo para a Câmara dos Deputados (Foto: Reprodução/Facebook)
Primeiros deputados federais eleitos pelo Partido Novo para a Câmara dos Deputados (Foto: Reprodução/Facebook)
PUBLICIDADE

O Partido Novo lançou no final de maio uma resolução proibindo que seus mandatários utilizem o auxílio-moradia. O benefício já vinha sendo recusado por diversos parlamentares, sendo já uma recomendação interna, mas sem obrigatoriedade. [1]

PUBLICIDADE

Com a medida, o deputado federal Alexis Fonteyne (NOVO/SP) – o único da bancada na Câmara que utilizava o recurso – decidiu mudar de posição. De acordo com nota divulgada em suas redes sociais, o parlamentar decidiu cumprir a resolução e renunciar o benefício a partir de junho de 2019.

“Tomo essa decisão consciente de que não infringi qualquer regra ou determinação partidária anterior e que usei os recursos em função da necessidade, que não se extinguiu e cuja fundamentação é pública. Entendo que o NOVO é um partido novo em todos os sentidos: há muito o que se ajustar para que possamos fazer fazer mais, custando muito menos para a sociedade”, escreveu.

PUBLICIDADE

Leia também:  Liberais criticam uso das emendas secretas e as comparam com compra de votos

O parlamentar ainda afirmou que é “absolutamente natural haver conflitos, discussões e descobertas dos limites de economistas sem prejudicar a entregar de resultados pelos mandatários” e que seguirá trabalhando para um “Brasil mais simples e a favor das reformas”.

No dia 22 de maio, o Boletim da Liberdade chegou a entrevistar o deputado federal Alexis Fonteyne e abordou o assunto. Na ocasião, ele justificou o uso do auxílio-moradia pelo fato de já precisar custear outras residências e nunca ter se comprometido que renunciaria ao benefício. O parlamentar também afirmou que era importante que o partido refletisse sobre os recursos que abre mão.

“Esse é um assunto em que as pessoas estão surtando: o que elas precisam entender é que o auxílio-moradia é a última porta para você entrar no processo seletivo do Partido Novo. É importante que ela fique aberta. Porque o Partido Novo não usa Fundo Partidário, não usa Fundo de Campanha, no Partido Novo não se pega empréstimos ou doações de pessoas jurídicas. No Partido Novo, não temos um programa [de bolsas] como o RenovaBR ou o RAPS. Portanto, o Partido Novo – já na parte de se fazer campanha – é extremamente árduo e praticamente seleciona pessoas que tenham dinheiro e capacidade. Uma pessoa desprovida de dinheiro praticamente não tem a menor chance”, desabafou.

Leia também:  NOVO marca 'tuitaço' contra PEC dos Precatórios
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?