fbpx
PUBLICIDADE


Maduro resiste no poder e opositores pedem asilo político em embaixadas

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional do presidente Jair Bolsonaro, General Augusto Heleno observou que apoio militar a Guaidó não chegou às altas patentes

- Publicado no dia
Foto: Fernando Llano/AP

O propagandeado apoio militar que o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, havia anunciado na manhã desta terça-feira (30) não foi suficiente para tirar Nicolás Maduro do poder. No fim do dia, as esperanças de deposição do sucessor de Hugo Chávez arrefeceram.

De acordo com o relatado pelo ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional do presidente Jair Bolsonaro, o apoio militar à Guaidó não chegou a atingir os altos escalões. Com isso, a repressão nas ruas aumentou. [1][2]


PUBLICIDADE



Dois outros fatos dão indicativos de que Guaidó deve sofrer uma dura derrota e que superestimou o apoio que teria das ruas e dos militares.

O primeiro deles é que o líder opositor Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar e foi solto na manhã desta terça-feira (30), pediu asilo político na embaixada chilena. Na manhã, após ser solto, López foi visto nas ruas ao lado de Guaidó e pregando a deposição de Maduro. Militares venezuelanos que se rebeleram também pediram asilo para outros países, inclusive ao Brasil. [3][5]

O segundo é que o Diretor de Inteligência Militar da Venezuela, Manual Figuera, foi preso após auxiliar a libertação de López. É possível que haja uma dura punição do regime contra ele nas próximas horas ou dias. [4]

A maior parte dos conflitos de rua ocorridos no dia, especialmente pela manhã, se deu nas imediações da base aérea “La Carlota”, em Caracas. Guaidó, porém, ficou ao lado de fora da instalação militar, frustrando as expectativas internacionais de que já teria o endosso, inclusive, para comandar de dentro o que chamou de “Operação Liberdade”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição de R$ 99,90 ao ano, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e na nossa listagem do WhatsApp. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.