PUBLICIDADE


Ministro da Educação admite erro em envio de e-mail

O ministro Ricardo Vélez Rodríguez reconheceu que o comunicado emitido às escolas de todo o país continha equívocos que precisavam ser corrigidos

- Publicado no dia
Ricardo Vélez Rodríguez (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

O Ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, admitiu nesta terça-feira (26) que errou no envio do e-mail que gerou polêmica no dia anterior. Na mensagem, o ministro incluiu o slogan da campanha de Jair Bolsonaro e pedia que colégios a lessem aos alunos e filmassem os estudantes perfilados e cantando o hino nacional. [1]

De acordo com Vélez, a iniciativa, que chegou a ser criticada pelos organizadores do projeto de lei contra a doutrinação nas escolas, o Escola Sem Partido, foi mal apresentada. “Eu percebi o erro. Tirei essa frase (o slogan do governo, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”). Tirei a parte correspondente a filmar crianças sem a autorização dos pais. Evidentemente se alguma coisa for publicada será dentro da lei, com a autorização dos pais. Saiu hoje de circulação”, disse em entrevista a diferentes veículos.


PUBLICIDADE


A mensagem havia sido criticada também por outros influenciadores, como o economista Joel Pinheiro. Depois da retratação e do envio de uma versão corrigida do comunicado, porém, o ministro fez outra declaração que pode incomodar muitos liberais e conservadores. Ele defendeu o sistema de cotas como medida temporária.

“Defendo as cotas enquanto não for resolvida a questão do ensino básico de qualidade para todos e que possibilite no final do fundamental e do segundo grau aos jovens que quiserem entrar na universidade em pé de igualdade”, ele argumentou. “Nossa dívida não está apenas numa questão de raça, mas de qualidade do nosso ensino básico e fundamental, que no setor público ainda não é da qualidade que deveria ser”.

Outros pedidos de desculpas

Essa não é a primeira vez em que o ministro se retrata de um erro. Ele também pediu desculpas por ter afirmado que os brasileiros se comportam como “canibais” quando viajam e “roubam coisas dos hotéis”, afirmando que suas palavras foram retiradas de contexto. Da mesma forma, Vélez se desculpou por ter atribuído erroneamente a frase “Liberdade é passar a mão no guarda” ao falecido cantor Cazuza.

Leia também:  Na TV, Bolsonaro celebra aprovação na CCJ da reforma da Previdência: assista
★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor


Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.