fbpx
PUBLICIDADE

Monitoramento do Estado se faz necessário em setores estratégicos, diz Luiz Philippe Orleans e Bragança

Deputado federal eleito pelo PSL aproveitou a discussão pública em torno das relações bilaterais entre o Brasil e a China para defender que o país monitore com cuidado setores estratégicos
Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

O deputado federal eleito pelo PSL de São Paulo, Luiz Philippe de Orleans e Bragança, publicou nesta sexta-feira (18) um artigo em seu site onde defende que é “necessário” que o Estado faça “algum monitoramento” em “setores estratégicos”, especialmente referindo-se à participação de países estrangeiros no Brasil.

PUBLICIDADE

O texto, intitulado de “O balanço com a China”, aborda a relação comercial do Brasil com o país asiático e como a questão ideológica, ou política, deve influenciar os acordos bilaterais. O tema está em voga após a crítica de Olavo de Carvalho à excursão de parlamentares brasileiros para o país.

“Para a maioria das situações, trocas devem ocorrer livremente. No entanto, há casos quando a política interfere nas questões econômicas. É aí quando, como país, temos que nos resguardar”, escreveu o político, defendendo em seguida que “há boas razões para ressalvas com a China”.

PUBLICIDADE

Leia também:  China anuncia proibição de todas as operações com criptomoedas

Antigo filiado do Partido Novo e, depois, pouco antes da eleição, ao PSL, Bragança explicou que na China há “pouca separação entre o Estado e as grandes empresas”.

“Em um Estado criado a partir do comunismo Maoista, várias grandes empresas surgiram do Estado Chinês ou representam interesses políticos do mesmo”, afirmou.

Em seguida, o parlamentar eleito cita alguns episódios envolvendo chineses, entre os quais a compra de terras em países africanos visando escoamento preferencial para o país asiático e suspeitas de instalação de aparelhos de espionagem em produtos eletrônicos.

“Há empresas chinesas que fazem ótimos produtos e que não possuem vínculo nenhum com a política de Estado Chinês por não serem operações estratégicas. […]  No caso das grandes empresas de setores estratégicos como infraestrutura, telecomunicações, tecnologia, alimentício, entre outros, algum monitoramento do nosso Estado se faz necessário. Caso a caso. Devemos garantir que nossos eleitores consumidores estejam protegidos por nossa coisa pública. Sempre”, conclui o artigo.

PUBLICIDADE

Leia também:  Começa a tramitar PEC que aumenta número de ministros do STF

Leia na íntegra clicando aqui.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?