PUBLICIDADE


Nicolás Maduro fala de Bolsonaro e chama General Mourão, vice eleito, de ‘louco’

Para o líder da Venezuela, o secretário de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, veio ao Brasil ordenar missões ao presidente eleito Jair Bolsonaro e Mourão age como um ‘presidente paralelo’

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Twitter

O presidente venezuelano Nicolás Maduro afirmou a jornalistas nesta quarta-feira (12) que Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil, pode ter recebido a missão dos Estados Unidos de criar “provocações militares” na fronteira da Venezuela. Na mesma fala, o líder do país vizinho criticou duramente o vice-presidente eleito, General Mourão. [1][2]

Segundo o sucessor de Hugo Chávez, o Brasil está caminhando para se alinhar aos Estados Unidos em um suposto plano para desestabilizar a Venezuela e assassiná-lo. No Twitter, Maduro criticou duramente John Bolton, assessor de Trump para segurança nacional, que esteve com Bolsonaro no final de novembro. Segundo ele, aos jornalistas, para ordenar missões aos brasileiro. [3]


PUBLICIDADE



“As forças militares do Brasil querem paz. Ninguém no Brasil quer que o futuro governo de Jair Bolsonaro se meta em uma aventura militar contra o povo da Venezuela”, afirmou Maduro, criticando Mourão como um “louco” e que atua como  “presidente paralelo no Brasil”: “Todos os dias, ele fixa a pauta do que vai ser a política desse governo. Todos os dias, diz que vai invadir a Venezuela e que o Brasil vai utilizar suas forças militares”.

Nesta segunda-feira (11), como noticiou o Boletim da Liberdade, aviões de guerra russos, capazes de transportar ogivas nucleares, pousaram na Venezuela. Sobre isso, Maduro explicou que o governo venezuelano “obteve informações sobre forças especiais dos Estados Unidos em treinamento para uma ‘missão cirúrgica’ no país”.

Leia também:  Rússia envia aviões de guerra para exercícios militares na Venezuela
Leia também:  'Guerra com a Venezuela seria perda de tempo, esforço e dinheiro', diz especialista
Leia também:  Secretário da OEA admite possibilidade de intervenção militar na Venezuela
★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.