fbpx
PUBLICIDADE

Eduardo Bolsonaro desabafa sobre questão de travestis no ENEM

Deputado federal Eduardo Bolsonaro deixou recado para os estudantes dizendo que conhecimentos sobre 'sexualidade, feminismo, linguagem travesti e machismo' terão 'pouca ou nenhuma importância' na carreira
Alexandre Frota e Eduardo Bolsonaro, duas recentes lideranças da direita brasileira (Foto: Gustavo Oliveira/Democratize)
Alexandre Frota e Eduardo Bolsonaro, duas recentes lideranças da direita brasileira (Foto: Gustavo Oliveira/Democratize)
PUBLICIDADE

O filho do presidente eleito Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro (PSL), manifestou-se na manhã desta segunda-feira (5) nas redes sociais sobre a polêmica questão aplicada no ENEM 2018 envolvendo um suposto “dialeto secreto utilizado por gays e travestis”. [1][2]

PUBLICIDADE

Para Eduardo, que também foi o deputado federal mais votado do Brasil em 2018, “não é requisito mínimo para ser Ministro da Educação saber sobre dicionário dos travestis ou feminismo”.

Além da ironia, o parlamentar deixou um recado para os estudantes: “Quando vocês forem ser entrevistados para um emprego ou estiverem abrindo um empreendimento, aviso: sexualidade, feminismo, linguagem travesti, machismo e etc terão pouca ou nenhuma importância. Portanto, estude também o que lhe deixará apto para a vida”.

PUBLICIDADE

Leia também:  Parlamentares entram na Justiça contra medidas restritivas no Rio e São Paulo

Eduardo também retweetou um comentário de uma internauta que diz que o ENEM “escancarou a necessidade da aprovação do Escola Sem Partido”, projeto idealizado pelo procurador Miguel Nagib e abraçado pela campanha do pai.

A questão

PUBLICIDADE

Leia também:  Parlamentares entram na Justiça contra medidas restritivas no Rio e São Paulo

A questão polêmica da prova do ENEM aplicada neste domingo (4) é uma adaptação de uma reportagem publicada no site “Mídia Max” em abril de 2017.

O artigo convida os leitores a conhecerem o um dialeto “com origem no iorubá” e que foi “adotada por travestis e ganhou a comunidade”.

“‘Nhaí, amapô! Não faça a loka e pegue meu acué, deixe de equê se não eu puxo teu picumã!’ Entendeu as palavras dessa frase? Se sim, é porque você manja  alguma coisa de pajubá, o ‘dialeto secreto’ dos gays e travestis”, diz o lead do texto apresentado aos estudantes.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama