PUBLICIDADE


Bolsonaro reage após laudo apontar que menina se automutilou com suástica

Candidato do PSL afirmou em suas redes sociais que “sem mentir, o PT não existe” e questionou se “vai ficar por isso mesmo” as acusações feitas no passado

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Facebook

Jair Bolsonaro (PSL) manifestou-se no fim da manhã desta quarta-feira (24) sobre o caso da menina que, segundo laudo técnico, se automutilou para culpar apoiadores do candidatos no início de setembro. [1]

O candidato do PSL chamou quem espalhou as notícias falsas de “canalhas” e “vagabundos” e anexou à publicação nas redes sociais uma captura de tela de um comentário de Fernando Haddad (PT) no Twitter no início de setembro.


PUBLICIDADE



“Vão cobrar resposta sobre mais essa atitude suja ou fingir que nada aconteceu? Chamaram nossos apoiadores, homens, mulheres, idosos, pessoas de família, de nazistas a semana inteira e vai ficar por isso mesmo?”, questionou Bolsonaro, dizendo que “sem mentir, o PT não existe”.

No dia 10 de setembro, Haddad havia afirmado que o país estava vivenciando uma “escalada de violência” e que “uma jovem de 19 anos” teria sido “praticamente sequestrada por três apoiadores do Bolsonaro”, tendo em seguida uma “suástica entalhada com um canivete”.

De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, no entanto, a Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu que a jovem forjou o crime. [2]

Segundo o delegado que investigou o caso, houve contradições no relato e e, desde o início, trabalhou-se com a possibilidade de automutilação. Agora, a jovem – que, segundo ele, é “debilitada emocionalmente” – deve responder por comunicação falsa de crime.

Esta não é, porém, a primeira vez que tentam, falsamente, associar apoiadores de Jair Bolsonaro ao nazismo. No dia 14 de outubro, uma igreja localizada no interior do Rio de Janeiro amanheceu pichada com suásticas. Descobriu-se, no entanto, que o vandalismo havia sido feito por pichadores contrários ao candidato.

Leia também:  Cantor diz que foi torturado por Mourão no regime militar - mas vice de Bolsonaro ainda não havia entrado no Exército
Leia também:  Pichadores de suástica em igreja no RJ eram contrários a Bolsonaro
★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura ou fazendo uma doação de qualquer valor. Contamos com você para viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.