fbpx
PUBLICIDADE


Cantor diz que foi torturado por Mourão no regime militar – mas vice de Bolsonaro ainda não havia entrado no Exército

Em vídeo divulgado nas redes sociais, cantor e compositor declara preocupação com governo de Jair Bolsonaro e afirmou que “esse Mourão” era um dos torturadores quando esteve preso no regime militar

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Facebook

O cantor pernambucano Geraldo Azevedo afirmou em show que, enquanto esteve preso no regime militar, foi torturado pelo candidato à vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), General Mourão. [1][2][3]

Ocorre que o artista teria sido preso em 1969, enquanto que Mourão entrou no Exército apenas em 1972, ao ingressar na Academia Militar das Agulhas Negras, onde se formou oficial.


PUBLICIDADE



“Eu fui preso duas vezes durante a Ditadura. Esse Mourão era um dos torturadores lá. Eu fico impressionado como o brasileiro não presta atenção na evolução humana. Tenho indignação com o que vai acontecer no Brasil”, disse.

A declaração foi citada por Fernando Haddad (PT) para desqualificar seu adversário por duas vezes na sabatina que o candidato deu ao jornal O Globo, na manhã desta terça-feira (22).

Boletim da Liberdade entrou em contato com a assessoria de imprensa do cantor e compositor Geraldo Azevedo para saber se ele reafirma o seu posicionamento, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria. General Mourão e Jair Bolsonaro ainda não se manifestaram.


ATUALIZADO às 16h26: A assessoria de imprensa do cantor Geraldo Azevedo avisou ao Boletim da Liberdade, em nota, que o candidato à vice-presidência General Mourão “não estava entre os torturadores” e se desculpou pelo “transtorno causado por seu equívoco”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.