fbpx
PUBLICIDADE

Mourão critica 13º salário e Bolsonaro condena declaração: ‘ofensa’

Primeiro conflito público na chapa presidencial da coligação PSL/PRTB, que lidera as pesquisas em primeiro turno: Mourão critica 13º e Bolsonaro chama isso de 'ofensa à quem trabalha'
Jair Bolsonaro e General Mourão (Foto: Renato Cerqueira/Estadão Conteúdo)
Jair Bolsonaro e General Mourão (Foto: Renato Cerqueira/Estadão Conteúdo)

Os liberais compreendem que as leis trabalhistas muitas vezes aparentam ser benéficas, mas – na prática – nada alteram ou apenas prejudicam à empregabilidade e a economia do país. Apesar disso, o tema ainda é um tabu – e, por causa disso, nesta quinta-feira (27) foi motivo de um novo conflito de posicionamentos entre o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e seu candidato a vice, General Mourão (PRTB).

Em palestra em Uruguaiana (RS), Mourão criticou o peso da legislação trabalhista para uma plateia de lojistas e criticou a figura do 13º salário, que chamou de “jabuticaba”. [1]

“Temos algumas jabuticabas que a gente sabe que é uma mochila nas costas de todo empresário. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Se a gente arrecada 12 [meses], como é que nós pagamos 14?”, argumentou o general da reserva.





Tão logo começaram a ser divulgadas as declarações de Mourão, representantes do PSL e, posteriormente, Jair Bolsonaro buscaram se distanciar do posicionamento do candidato a vice.

“Essa não é uma proposta da campanha, do Jair Bolsonaro ou do Paulo Guedes. Não há nada sobre acabar com o 13º salário. Isso é uma posição pessoal do Mourão”, teria afirmado o presidente do PSL ao jornal O Globo.

No Twitter, Bolsonaro manifestou-se também. Ele explicou que o 13º é uma cláusula pétrea e que “criticá-lo é uma ofensa à quem trabalha”.

“O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (não passível de ser suprimido sequer por proposta de emenda à Constituição). Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”, escreveu. [2]









O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama