SOBRE     ASSINE     NEWSLETTER     FACEBOOK     TWITTER     YOUTUBE



Liberais disputam vagas nas Assembleias Legislativas e pedem mais federalismo

Boletim da Liberdade conversou com os candidatos Fabio Ostermann (NOVO/RS), Julio Lins (PMN/AM), Bruno Lessa (PSDB/RJ) e Arthur do Val (DEM/SP): eles representam uma nova geração de liberais na política

- Publicado no dia
Fabio Ostermann (NOVO/RS), Bruno Lessa (PSDB/RJ), Julio Lins (PMN/AM) e Arthur ‘Mamãe Falei’ (DEM/SP) (Foto: Reprodução/Facebook)

A popularização das ideias liberais no Brasil enfrenta em 2018 o seu maior desafio eleitoral. Após ter importante papel na deposição do governo PT, lideranças do ecossistema pró-liberdade vão às urnas de maneira estruturada não apenas para marcar posição, mas para oferecer à sociedade uma alternativa política concreta no curto-prazo nesse momento onde há expectativa de mudança de ciclo político. Movimentos suprapartidários de viés liberal, como o Livres e o MBL, além de partidos políticos como o NOVO, se legitimam também como os principais pólos de candidaturas de viés liberal no país.

Se, de um lado, há grande atenção para temas federais, por outro muitos liberais buscam adaptar suas agendas para atuar nas assembleias legislativas de cada estado. Um desafio que é motivado pela maior facilidade eleitoral – geralmente, é preciso menos votos para eleger-se deputado estadual do que federal – e também pela justa necessidade de se ocupar os espaços disponíveis na política com as ideias da liberdade.

“O Brasil tem um sistema de repartição de competências e atribuições torto, que vai contra a noção de federalismo que deveria orientar um país tão grande e populoso como o nosso. Apesar da concentração excessiva de poderes no âmbito federal, ainda há muito o que se fazer no terreno estadual”, opina Fabio Ostermann, ligado ao Livres, e que disputa uma vaga de deputado estadual do Rio Grande do Sul pelo Partido Novo.


PUBLICIDADE



Ao Boletim da Liberdade, ele afirmou que, se eleito, seu foco “será o de fiscalizar o Poder Executivo pautando a retirada do governo de áreas não-essenciais que hoje tomam uma porção significativa do orçamento e da capacidade gerencial do estado”.

“Além disso, é essencial que a Assembleia Legislativa atue de forma a melhorar o ambiente empreendedor do estado, pautando a remoção de obstáculos regulatórios e burocráticos à geração de riqueza no Rio Grande do Sul”, disse

Christian Lohbauer e Fabio Ostermann, candidato à vice-presidente do NOVO. Para Ostermann, a “questão fiscal é o assunto mais urgente” do Rio Grande do Sul. (Foto: Reprodução/Facebook)

No Rio de Janeiro, Bruno Lessa, do PSDB, é um dos principais nomes ligados ao movimento liberal na disputa por uma vaga na ALERJ. Ele conta com o endosso também de lideranças nacionais, como do jovem vereador de São Paulo, Fernando Holiday. Além de frisar a importância da luta por mais liberdade econômica, Lessa defendeu ao Boletim a transparência como parte das bandeiras que um parlamentar liberal deve defender

É essencial que a Assembleia Legislativa atue de forma a melhorar o ambiente empreendedor do estado, pautando a remoção de obstáculos regulatórios e burocráticos à geração de riqueza.

FABIO OSTERMANN (NOVO) é candidato a deputado estadual no Rio Grande do Sul

“Um deputado estadual liberal pode e deve defender que o seu estado, gradualmente, assuma um tamanho mais enxuto, seja cada vez mais eficiente e, consequentemente, crie ou amplie sua cultura de transparência”.

Para ele, o maior problema do Rio de Janeiro é a corrupção e também é possível contribuir nessa seara aplicando conceitos liberais.

“Se eleito deputado estadual, quero ser menos do discurso e mais da prática. Enfrentar esse tema com medidas reais. Ideias concretas. Uma delas é o estabelecimento do ‘Seguro Contra Corrupção’, uma medida espetacular que funciona nos Estados Unidos e aplica conceitos liberais na prevenção à corrupção”, prometeu, reforçando ainda a importância de revogar o que chamou de “leis inúteis”.

Umas das ideias [para o combate à corrupção] é o estabelecimento do ‘Seguro Contra Corrupção’, uma medida espetacular que funciona nos Estados Unidos e aplica conceitos liberais na prevenção à corrupção.

BRUNO LESSA (PSDB) é candidato a deputado estadual no Rio de Janeiro

“Um ambiente com regras mais simples e cumpríveis, ao alcance de todos, torna o ambiente menos suscetível à corrupção”, disse.

Bruno Lessa cumprimenta eleitor no Rio de Janeiro.. Para ele, a corrupção é o maior problema do estado. (Foto: Reprodução/Facebook)

A instituição de um seguro contra corrupção – ou “anti-corrupção” – também faz parte da agenda de candidatos liberais apoiados pelo MBL, como o youtuber Arthur do Val, conhecido como “Mamãe Falei”, que estreia nas urnas pelo DEM para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo. Ao Boletim, ele revelou que, se conquistar uma vaga na ALESP, pretende dar exemplo em seu próprio gabinete:

“Vou abrir mão de carro oficial, auxílio moradia e outras regalias. pretendo usar metade da verba de gabinete e economizar 90% da cota parlamentar”, garantiu Arthur.


PUBLICIDADE



Combativo, o youtuber afirmou que vai ainda “expor qualquer votação absurda ou decisão do governo” e, ainda, “votar sempre contra qualquer aumento de benefício para político ou imposto para o contribuinte”.

Vou expor qualquer votação absurda ou decisão do governo e votar sempre contra qualquer aumento de benefício para político ou imposto para o contribuinte.

ARTHUR ‘MAMÃE FALEI’ (DEM) é candidato a deputado estadual em São Paulo

Aos 21 anos, Julio Lins é uma das jovens estrelas do movimento liberal que estreiam nesse ano nas urnas. Ex-coordenador do Students for Liberty e liderança do movimento Vem Pra Rua, Lins é ligado ao Livres, filiado ao PMN e quer uma vaga na Assembleia Legislativa do Amazonas.

No estado, ele afirma que quer “melhorar o ambiente de negócios” e “trabalhar junto com o Governador para que a alíquota do ICMS seja reduzida”.

Júlio Lins reuniu apoiadores para lançar sua candidatura, em agosto. Ele é ligado ao Livres e é ex-coordenador do Students for Liberty Brasil. Concorre a deputado estadual pelo Amazonas. (Foto: Reprodução/Facebook)

“Eu vou abrir mão dos privilégios políticos. Na Assembleia Legislativa do Amazonas, todos os deputados estaduais tem um carro oficial, um Amarok. Vou buscar um gabinete enxuto e lutar pelo combate à corrupção. Quero também acabar com o voto secreto na Assembleia”, disse.

Eu vou abrir mão dos privilégios políticos. Na Assembleia Legislativa do Amazonas, todos os deputados estaduais tem um carro oficial, um Amarok. Vou buscar um gabinete enxuto e lutar pelo combate à corrupção.

JULIO LINS (PMN) é candidato a deputado estadual no Amazonas

Federalismo

Os candidatos às Assembleias Legislativas também falaram sobre a importância do federalismo ao Boletim da Liberdade.

Para Júlio Lins, “o que mais precisa mudar é a distribuição dos tributos”. “Os tributos se concentram muito, mais de 60%, na União. O Fundo de Participação dos Estados é ínfimo. Os principais problemas são das cidades”, defendeu.

Ostermann, por sua vez, considerou a “excessiva centralização” do Brasil como uma das “grandes tragédias da nossa democracia”.

“Os estados precisam ser autossuficientes financeiramente e deveriam ter autonomia para instituir ou abolir tributos, legislar sobre certas matérias penais e inclusive definir sua estrutura de governo e sistema eleitoral”, opinou.

Os estados deveriam ter autonomia para instituir ou abolir tributos, legislar sobre certas matérias penais e inclusive definir sua estrutura de governo e sistema eleitoral.

FABIO OSTERMANN (NOVO) é candidato a deputado estadual no Rio Grande do Sul


PUBLICIDADE



Bruno Lessa, do Rio de Janeiro, compartilha dessa opinião e citou o caso da violência de seu estado, que encontra-se sob intervenção federal.

“No caso do Rio de Janeiro, [o excesso de centralização em Brasília] fica muito claro quando falamos da Segurança Pública. Não somos capazes de resolver nossos problemas de segurança sozinhos pois há uma legislação penal, nacional, que não se enquadra mais com as necessidades do Rio. No final, por mais que a gente tenha uma polícia equipada e treinada, vamos enxugar gelo se não tivermos leis que não acompanhem a nossa realidade”, disse.

Entre suas propostas, o tucano quer “criar uma frente para pressionar o Congresso para que a ALERJ possa discutir questões penais”. Para ele, “uma ordem genuinamente liberal só pode ser factível pela máxima descentralização dos poderes”.

“O poder precisa estar o mais próximo possível daqueles que são afetados por um problema. Deveria caber à esfera federal apenas aquilo que os estados não sejam capazes de, isoladamente, fazerem”, explicou.

O poder precisa estar o mais próximo possível daqueles que são afetados por um problema. Deveria caber à esfera federal apenas aquilo que os estados não sejam capazes de, isoladamente, fazerem.

BRUNO LESSA (PSDB) é candidato a deputado estadual no Rio de Janeiro

Arthur do Val, do MBL, também defende mais federalismo. “Atualmente mais de 70% dos impostos são destinados ao poder federal. O restante fica no estado e município. O que ocorre é que ninguém mora na União. Quem sabe dos problemas é sempre quem está mais próximo, ou seja, vereadores, prefeitos, governadores e deputados estaduais. Na prática o que temos hoje é uma série de prefeituras e políticos no geral, mendigando emendas federais para suas regiões ou currais eleitorais”.

★ ★ ★

Com quem conversamos

Fabio Ostermann (NOVO) – Número: 30.300 – Candidato a Deputado Estadual pelo RS

Bruno Lessa (PSDB) – Número 45.000 – Candidato a Deputado Estadual pelo RJ

Julio Lins (PMN) – Número 33.133 – Candidato a Deputado Estadual pelo AM

Arthur do Val (DEM) – Número 25.555 – Candidato a Deputado Estadual por SP

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Seja um assinante e receba nosso conteúdo por Whatsapp


Seja um mantenedor com uma doação única de qualquer valor

Comentários

Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também