fbpx
PUBLICIDADE


Facebook aperta o cerco contra páginas ligadas ao MBL e exclui coordenadores

Facebook afirmou que medida visou restringir “perfis falsos ou enganadores” e que rede atuava propagando notícias falsas; página do Movimento Brasil 200, de Flávio Rocha, foi deletada e deputado já fale em CPI

- Publicado no dia
Em primeiro plano, Kim Kataguiri (à esquerda) e Renan Santos (à direita, com mão na cintura) em manifestação contra Dilma Rousseff em 2015 (Foto: Reprodução/El País)

O Facebook excluiu na manhã desta quarta-feira (25) dezenas de páginas e perfis ligados ao Movimento Brasil Livre. De acordo com o comunicado divulgado pela rede social, foram no total removidas 196 páginas e 87 contas pessoais – entre elas, a de Renan Santos e Eric Balbinus, ambos apresentadores do MBL News. [1][2]

Somadas, as páginas tinham mais de meio milhão de seguidores, de acordo com informações publicadas pela Reuters, e entre elas estavam as páginas dos blogs “Jornalivre” e “O Diário Nacional”, além do Movimento Brasil 200, fundado por Flávio Rocha, cujos conteúdos eram frequentemente compartilhados pelo MBL Nacional. A página principal do Movimento Brasil Livre, no entanto, segue no ar.

De acordo com o Facebook, o que motivou a ação foi a descoberta de uma rede formada de perfis “falsos ou enganadores” e que se dedicavam a produzir ou propagar notícias falsas. [3]

Respostas

Em nota, o MBL Nacional rechaçou a atitude da rede social, classificando-a como arbitrária. A entidade também observou que muitas das contas excluídas pertenciam a pessoas reais que já tinham disposto dados pessoais na plataforma, como telefone e endereço.


PUBLICIDADE



Apesar disso, na nota, o Movimento Brasil Livre afirmou que a atitude do Facebook não é surpreendente e que postula similar se vê em todo o mundo “ao perseguir, coibir, manipular dados e inventar alegações esdrúxulas contra grupos”.

“Liberdade de expressão e democracia são pilares do MBL, iremos utilizar todos os recursos midiáticos legais e políticos que a democracia nos oferece para recuperar as páginas derrubadas e reverter a perseguição sofrida, com consequências exemplares para essa empresa”, concluiu a nota. [4]

Flávio Rocha, fundador do Movimento Brasil 200, que teve a página deletada, também manifestou-se nas redes sociais. Ele considerou a medida “uma violência” e conclamou a “bancada do Brasil 200 no Congresso Nacional a tomar posição sobre essa arbitrariedade”. “Nem no tempo da ditadura se verificava tamanho absurdo”, disse. [5]

Eric Balbinus, do MBL e também autor do blog “O Reacionário” e que teve sua conta deletada no Facebook, garantiu em sua conta no Twitter que entrará na Justiça para que a rede social prove “cada vírgula” de acusação.

“Não é preciso ir longe para provar que o Facebook mente sobre as fake news. Só lembrar que nenhuma página foi derrubada por divulgar a mentira de que o juiz Moro estava de férias em Portugal quando passou por cima do lacaio Favreto ou por dizerem que o mesmo é filiado ao PSDB”, disse.

CPI do Facebook

No Congresso Nacional, começa a ser aventada a possibilidade de uma CPI do Facebook. O deputado Jerônimo Gorgen (PP) publicou um vídeo nas redes sociais onde diz que “não pode de forma alguma admitir em nome da democracia do Brasil que uma empresa privada selecione aquilo que seja comunicado à soceidade”.

“Estamos estudando a possibilidade de recolhermos assinaturas para [fazer] uma CPI do Facebook para evitar fatos como esses que são lamentáveis nesse momento do Brasil”, disse.

+ Objetivo da imprensa ‘é tirar nossa página do Facebook do ar’, explica Renan Santos, coordenador nacional do MBL

+ MBL alerta que página do RJ foi tirada do ar após meme com Lula

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.