fbpx
PUBLICIDADE


Rachewsky comenta tese contrária à liberação das drogas: ‘falácia simplória’

Objetivista gaúcho, fundador do IEE, se manifestou na discussão a respeito da liberação das drogas e segurança pública, motivada pelo comentário do deputado Jean Wyllys

- Publicado no dia
(Foto: Reprodução / Facebook)

Depois de noticiar que o deputado Jean Wyllys se manifestou contra a intervenção federal na segurança pública do Rio, alegando que a legalização das drogas seria mais eficaz, o Boletim publicou nesta quinta-feira (22) uma manifestação do ativista de segurança pública Roberto Motta, ligado ao Movimento Brasil Livre, contestando os argumentos do parlamentar. Nesta sexta-feira (23), o objetivista gaúcho Roberto Rachewsky, fundador do Instituto de Estudos Empresariais, decidiu defender a importância e a moralidade de uma liberação das drogas.

Para ele, a ideia de que a liberação das drogas estimularia os criminosos “a praticar outros crimes como sequestro ou assalto a bancos” ser usada como argumento contra essa liberação “se vale de uma falácia simplória”.  Para ele, é imoral a comparação entre um “crime sem vítimas” – no caso, a comercialização de algo sem coerção, numa troca voluntária – com agressões como o assalto e o sequestro.

Confira na íntegra as reflexões de Rachewsky:


PUBLICIDADE



★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.