fbpx

Democracia em xeque: a verdade por trás da narrativa

Compartilhe

Por Gabriele Benini*

“Proteger a democracia”. O governo brasileiro e a sua base, frequentemente, usam dessa narrativa que aparenta ter como objetivo o combate às “fake news” e à desinformação. A realidade é que desejam proteger a si mesmos, colocando-se em um patamar de superioridade moral por enfrentar os “ignorantes” e assegurar às massas que tenham acesso às informações que eles avaliam como verdadeiras e legítimas. Sabe-se que essa manobra é usada e justificada recorrentemente por regimes autoritários -como Nicolás Maduro ainda faz na Venezuela, atuando contra a “extrema-direita” que “ameaça” a democracia que ele supõe existir no país. 

Vivemos em um país que adere aos três poderes a fim de, teoricamente, impedir que o poder se centralize e unifique. No entanto, o que se estende não só ao Brasil, como também a outros países que supostamente defendem a democracia e a liberdade, é o ativismo jurídico que, ao invés de julgar conforme a justiça tradicional de maneira objetiva, interpreta as leis para corrigir desigualdades que precedem o delito. Dessa forma, juízes que não foram eleitos e que não são, definitivamente, superiores intelectualmente à Constituição, passam a determinar o que é falso ou verdade e o que é certo ou errado. O objetivo da divisão de poderes e também a legitimidade da lei, caem por terra. Assim, o conluio é posto, o presidente indica o seu advogado para o supremo, e o ministro se torna também legislador.

Leia também:  Brasil, Governo Lula x Progresso

No Brasil, poucos representantes são fidedignos à defesa da liberdade. Quando conveniente, ficam ao lado do governo ou não. Quando conveniente, criticam o ministro Alexandre de Moraes ou não. A principal entidade do movimento estudantil -a UNE- e a esquerda no geral -exceto o PCO- de repente abraçam a censura. Nessa linha, observamos que a liberdade está se esvaindo, e nós não podemos nos calar diante dos abusos de autoridade cometidos por decisões que ameaçam verdadeiramente a democracia que resta em nosso país. 

*Gabriele Benini é líder estadual da UJL e do Instituto Atena no Rio Grande do Sul, membro do Students For Liberty Brasil e do Instituto Atlantos. Tem 18 anos e cursará direito na federal do Rio Grande do Sul a partir do segundo semestre deste ano. Trabalha com administração e relacionamento político. Se destaca nas pautas da educação, da juventude e da liderança feminina. 

Leia também:  Brasil, Governo Lula x Progresso

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?