fbpx

Brasil, Governo Lula x Progresso

Compartilhe

Por Lucas Tomas*

Falar sobre o Brasil e a “política tupiniquim” não é difícil, um país que perdeu várias ondas econômicas e entrou em várias “furadas” políticas, vive em um limbo atualmente. O Brasil vive em meio às incertezas jurídicas, econômicas e “Morais”. 

O terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva começa marcado por reveses ao atual presidente. Em um desempenho pífio e medíocre na economia, o petista vê a sua popularidade cair nas pesquisas de opinião e sofre derrotas no Congresso, como a eleição de nomes da oposição para a presidência de comissões estratégicas na Câmara dos Deputados.

Seria um sinal de fracasso do presidencialismo de coalizão, modelo político em que a governabilidade é garantida através da distribuição de cargos e verbas aos diferentes partidos? O presidencialismo de coalizão está mais firme do que nunca. O atual presidente montou uma grande coalizão – formada por 16 partidos, com o objetivo de governar, fazendo promessas infundadas.

Leia também:  Carla Zambelli convoca ato contra Lula na Avenida Paulista

A má gestão está na história do PT como a decadência econômica está na história do Brasil. A economia brasileira enfrenta uma grave crise, agravada pela persistente corrupção em diversos níveis do governo e do setor privado. O país, que já sofre com um crescimento econômico anêmico, alta inflação e desemprego crescente, vê-se ainda mais debilitado por escândalos de desvio de verbas públicas e fraudes que minam a confiança dos investidores e a moral da população desde a Operação Lava-jato.

Nos últimos anos, o Brasil tem lutado para retomar o crescimento econômico sustentável. 

A crise fiscal também é um ponto crítico. O déficit público, que ultrapassa os R$ 200 bilhões, impõe severas limitações à capacidade do governo de investir em infraestrutura, educação e saúde, setores essenciais para o desenvolvimento sustentável. O aumento da dívida pública, que já supera os 90% do PIB, representa uma bomba-relógio que ameaça a estabilidade econômica do país.

Leia também:  Democracia em xeque: a verdade por trás da narrativa

Tendo em vista a série de complicações que o nosso país enfrentou -e ainda enfrenta-, é necessário se pensar em seguir o que está no livro do ilustre economista Donald Stewart Jr, que dispõe sobre uma análise do liberalismo no contexto brasileiro, destacando a importância da liberdade individual, do livre mercado e do governo limitado. Stewart argumenta que o liberalismo é essencial para promover o desenvolvimento econômico e social no Brasil, enfatizando a necessidade de reduzir a intervenção estatal na economia, garantir a propriedade privada e fomentar a concorrência. E deixando aqui uma frase primorosa de Stewart que nos leva a relacionar a polarização ao PT: “Não importa a cor do gato, só me interessa que ele mate o rato”, ou seja, independente da ala à direita que percorra o caminho vitorioso nas próximas eleições presidenciais, queremos o PT longe do Palácio do Planalto.

Leia também:  Lula: apenas 10% da população considera administração ótima

*Lucas Tomas é um jovem gestor público de 23 anos de idade. Com uma paixão pela política e pelas ideias da liberdade. Lucas fundou o movimento União, Juventude e Liberdade, uma iniciativa que visa engajar jovens na política e promover valores de união, liberdade e ideias do livre mercado.

Aviso

As opiniões contidas nos artigos nem sempre representam as posições editoriais do Boletim da Liberdade, tampouco de seus editores.

plugins premium WordPress
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?