fbpx
PUBLICIDADE

Paulo Guedes defende financiar Auxílio Brasil com imposto sobre dividendos

O ministro da Economia defendeu a flexibilização do teto de gastos, apelando ao Legislativo para que contribua com a aceleração de reformas
Paulo Guedes (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
PUBLICIDADE

O ministro da Economia Paulo Guedes reiterou neste domingo (24) sua defesa da flexibilização do teto de gastos para financiar o novo projeto assistencial do governo Bolsonaro. Ele aproveitou para cobrar a aprovação de reformas ao Senado como mecanismo para minimizar o impacto da medida. [1]

PUBLICIDADE

A declaração foi feita pela manhã, em visita a uma feira de criadores de passarinhos no Parque de Exposições da Granja do Torto, em Brasília, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. Segundo o ministro, é necessário “flexibilizar um pouco para atender aos brasileiros mais frágeis”.

“As pessoas falam: ‘Você não é defensor do teto?’ Eu sou defensor do teto. Eu vou continuar defendendo o teto. Eu defendo as privatizações. Agora, o presidente tem que tomar uma decisão política muito difícil: se ele respeita o teto ou deixa 17 milhões de famílias passando fome. Então, ele tem que pedir. Ele tem que pedir uma ação social que proteja a população. E eu tenho que calibrar essa ajuda”, justificou Guedes.

PUBLICIDADE

Leia também:  Bolsonaro promete ENEM com 'a cara do governo'

O ministro se dirigiu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD/MG), demandando a aceleração das reformas, em especial a do imposto de renda, aprovada pela Câmara. Guedes salientou que Bolsonaro esteve sob pressão por faltar a reforma que prevê a tributação em 15% de lucros e dividendos, fonte de recursos para o Auxílio Brasil.

“Se a gente avançar com o imposto de renda, por exemplo, que tira justamente, tributa justamente quem ganha R$ 300 bilhões com juros e dividendos, nós podemos ajudar os mais frágeis. Então, nós conseguimos ajudar os mais frágeis fazendo o que nós sempre fizemos – fazendo as reformas”, sintetizou Guedes.

“Ele precisa avançar com a reforma, ele precisa nos ajudar a fazer as reformas. Ele não pode fazer militância também. E eu tenho certeza que não vai fazer”, arrematou Guedes, afirmando que Rodrigo Pacheco sabe que o governo está “no caminho certo”.

Leia também:  Guedes vai à Câmara se explicar sobre offshore, mas nega detalhar patrimônio a deputados
Compartilhe essa notícia:

Obrigado por ter lido até aqui.

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

MARCAS APOIADORAS

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?