fbpx
PUBLICIDADE

Livres define como se portará no tema do impeachment de Bolsonaro

Em enquete, 75% dos associados defederam adesão imediata ao impeachment, mas grupo conversou com mandatários e compreende não haver, no momento, "condições políticas concretas" para o ato
Militantes do PSL Livres em ato de "Fora Temer", no início de 2017 (Foto: Divulgação)
Militantes do Livres em ato de “Fora Temer”, no início de 2017 (Foto: Divulgação)
PUBLICIDADE

A associação suprapartidária de viés liberal Livres divulgou nesta quarta-feira (3) o resultado da consulta feita com associados sobre como deveria ser o posicionamento do grupo em relação ao tema do impeachment de Bolsonaro, que voltou a circular em 2021. [1]

PUBLICIDADE

Segundo a entidade, 75% defenderam a “adesão imediata ao impeachment”, enquanto que 21% acreditaram que era melhor, antes, “um aprofundamento do combate aos abusos presidenciais através de outros instrumentos”. Apenas 4% se posicionaram que era mais adequado focar em outros temas.

Apesar do resultado, em nota publicada nas redes sociais, o Livres pontuou que há “falta de condições políticas concretas para deflagrar um processo de impeachment nesse momento” e que, após reuniões com “mandatários e conselheiros”, o grupo decidiu atuar em duas frentes.

PUBLICIDADE

A primeira é o “prosseguimento da ação que busca obrigar o presidente Jair Bolsonaro a apresentar, em juízo, as provas que ele alega ter sobre uma suposta fraude eleitoral em 2018″.

Depois, a entidade afirmou que vai defender a “instalação de Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para apuração das devidas responsabilidades diante da catástrofe sanitária e do colapso do sistema de saúde em Manaus”.

Os núcleos estaduais do Livres também ganharam autonomia para participarem da “dinâmica de manifestações locais que e se acharem necessárias”.

Embora não vá, dessa forma, atuar frontalmente na defesa do impeachment nesse momento, o Livres ressaltou o histórico do grupo crítico ao Bolsonaro, político que chamou de “antítese do liberalismo”. “Essa afirmação é um marco fundador da transformação do Livres em movimento suprapartidário”, disse o grupo.

PUBLICIDADE

Com esse posicionamento, dentre os principais grupos de viés liberal que, desde já, estão ostensivamente defendendo o impeachment, ficaram apenas o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua. Apesar de parte da militância e do próprio fundador do Partido Novo, João Amoêdo, estarem se posicionando favoráveis ao impeachment, o NOVO, principal partido liberal do país, também não tem institucionalmente posição em defesa da abertura do processo.

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama