fbpx
PUBLICIDADE

‘Sem toma lá, dá cá, não tem como governar’, avalia Salim Mattar

Ex-secretário de desestatização do governo Jair Bolsonaro e empresário conhecido por apoiar instituições liberais também refletiu sobre o que é o centrão e que o grupo ficou 'acostumado a ter vantagens'
Foto: Reprodução/YouTube
Foto: Reprodução/YouTube
PUBLICIDADE

Em entrevista ao programa “Direto ao Ponto”, na Rádio Jovem Pan News, o ex-secretário nacional de desestatização, o empresário Salim Mattar, afirmou que aprendeu no governo que, na prática, seria impossível governar sem troca de cargos. [1]

PUBLICIDADE

“Bolsonaro disse, para ganhar a eleição, que ‘não iria entrar na política do toma lá, dá cá’. Eu, Salim, gostei de ouvir isso e me engajei com Bolsonaro. Depois que eu entrei no governo eu vi que sem toma lá, dá cá, não tem como governar. Não tem. Vocês viram o Rodrigo Maia e o presidente ao longo desses dois anos… A quantidade de rivalidades, discussões públicas. Foi uma coisa triste, que não passava, virou um caso pessoal. Então o presidente precisa formar uma base”, avaliou o empresário.

Leia também:  Ministério da Economia tem nova baixas após crise do teto de gastos

Na sequência, Mattar também classificou o centrão, nome dado ao centro fisiológico na Câmara dos Deputados, como um “grupo de parlamentares de centro-direita que já salvou o Brasil algumas vezes”, citando na sequência o que chamou de “pautas perigosíssimas no governo petista”.

PUBLICIDADE

“O centrão, que às vezes muitas pessoas chamam de forma pejorativa, para mim é um grupo de centro-direita que, com o tempo, se acostumou a ter vantagens no governo. Às vezes nem é vantagem pessoal, é vantagem para o seu partido, como ter um ministro indicado, um presidente de uma estatal, às vezes coisas absolutamente válidas. Então o presidente precisava de uma bancada, uma maioria, ter uma base, e o mais fácil seria, de fato, buscar o apoio do centrão”, pontuou.

Leia também:  Ministério da Economia tem nova baixas após crise do teto de gastos

Ao fim, o empresário classificou que a democracia brasileira acabou se “acostumando” com essas circunstâncias. “Temos deputados que estão lá no Congresso há 20, 30 anos e acabaram se acostumando a indicar presidentes de estatais, ministros, indicaram pessoas para quadros de governo, delegacias regionais do INSS, Ibama, meio ambiente… e depois de 30 anos, você vem e corta de repente? É igual a menino que você dá bala todo dia e quando você corta a bala dele, ele vai chorar”, pontuou.

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?