fbpx
PUBLICIDADE

Alberto Fernández propõe ao Congresso da Argentina a legalização do aborto

Atualmente, no país vizinho, são permitidas as interrupções de gravidez apenas em caso de estupro ou de risco à gestante; proposta fez parte do programa de governo de Fernández e Kirchner
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente argentino Alberto Fernández propôs ao Congresso uma legislação que autoriza, de forma definitiva, a interrupção da gravidez no país vizinho. Atualmente, a Argentina permite apenas o aborto em casos de risco à gestante ou de gravidez fruto de estupro, situação similar ao que ocorre no Brasil.  [1]

Segundo o jornal Clarín, o texto proposto permitirá a interrupção até a 14ª semana de gestação, o que equivaleria ao período entre o 3º e o 4º mês de gravidez.

O aborto, frisou o jornal, fez parte das promessas de campanha da chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner. No projeto, os médicos também poderão obter o direito de recusar a fazer o procedimento alegando “objeção de consciência”.

“O debate não é dizer sim ou não ao aborto. Os abortos ocorrem de forma clandestina e põem em risco a vida e a saúde das mulheres que a eles se submetem. Portanto, o dilema que queremos superar é se os abortos se devem praticar na clandestinidade ou no sistema de saúde da Argentina”, justifica o projeto.

Não é a primeira vez





Não é, contudo, a primeira vez que o tema será discutido no legislativo argentino. Com um movimento popular mais forte em relação ao tema do que no Brasil, a própria Câmara dos Deputados da Argentina já chegou, no passado, a aprovar a medida, como noticiado pelo Boletim da Liberdade.

O texto, contudo, acabou sendo derrubado no Senado – onde, outra vez, espera-se encontrar maior dificuldade para aprovação.

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Siga o Boletim

Leia também

Coluna Panorama

Coluna de notas do mundo político, econômico e cultural, exclusiva para assinantes do Boletim da Liberdade e atualizada todas as segundas-feiras pela manhã