fbpx
PUBLICIDADE

‘Liberdades individuais não são absolutas’, defende Flávio Dino, do PCdoB

Governador do Maranhão pontuou em debate que estados podem impor restrições por motivos de "grande magnitude", especialmente "quando em interesse coletivo, tipo saúde pública"
Flávio Dino (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Flávio Dino (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
PUBLICIDADE

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), sustentou em entrevista concedida ao UOL nesta quinta-feira (23) que “liberdades individuais não são absolutas”. O contexto da declaração se deu a partir do momento em que se debatia as restrições propostas para o enfrentamento da Covid-19. [1]

PUBLICIDADE

“Se a liberdade for absoluta, agride a liberdade de outras pessoas. Por isso existem as restrições. Normas são fundamentais quando em interesse coletivo de grande magnitude, tipo saúde pública”, frisou.

Na sequência, o político comunista ponderou que esse posicionamento é “elementar, básico e acaba sendo uma falácia ideológica essa ideia segundo a qual os estados não podem impor limites”.

PUBLICIDADE

A declaração chamou atenção pelo fato de a sigla do político ter um histórico de reverenciar ou apoiar déspotas socialistas, como Kim Jon-un. [2]

Compartilhe essa notícia:




O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama