fbpx
PUBLICIDADE


Na Argentina, cidadãos que furam quarentena são detidos pela polícia

Duras medidas decretadas pelo presidente Alberto Fernández pode impôr puinição de até 15 anos de prisão aos cidadãos que deliberadamente furarem bloqueio sem motivo justo

- Publicado no dia
Foto: Reprodução

Enquanto que, no Brasil, um conjunto de pessoas ainda segue furando os pedidos das autoridades para se isolarem em casa como medida para evitar a rápida proliferação do coronavírus, na Argentina a punição vem em forma de detenção.

De acordo com relatos e repercutido por veículos de imprensa, mais de 200 pessoas já foram detidas no país por contrariem a ordem do presidente Alberto Fernández. [1][2]


PUBLICIDADE



Segundo relatado no site ‘Metrópoles’, violar a quarentena pode render de seis a 15 anos de prisão. Já foram presas pessoas que estavam se exercitando nas ruas, apresentando indícios de gripe e mesmo assim na rua e até um grupo de homens que estavam bebendo em um bar.

+ ÚLTIMAS VAGAS: Curso de Introdução de Liberalismo abre vagas para a primeira turma por tempo limitado

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O Boletim da Liberdade abriu mais um grupo no WhatsApp para recebimento de conteúdos especiais. Mas entre logo: é por tempo limitado. Participe apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



PUBLICIDADE
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.