fbpx
PUBLICIDADE

Vice de Romeu Zema se retira do NOVO e faz ataques ao partido

Afastamento do vice e dificuldades com a base abrem espaço para dificuldades à gestão do governador de Minas Gerais depois de sanção parcial a projeto polêmico
Romeu Zema e Paulo Brant (Foto: Omar Freire/Imprensa MG)
Romeu Zema e Paulo Brant (Foto: Omar Freire/Imprensa MG)
PUBLICIDADE

O vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant, anunciou nesta quarta-feira (11) que decidiu se desvincular do Partido Novo e ficará sem partido por enquanto. A sigla tem no governador mineiro Romeu Zema sua primeira experiência no comando do Poder Executivo. [1]

PUBLICIDADE

O anúncio foi feito no dia em que, depois de Romeu Zema decidir sancionar parcialmente o projeto de lei do próprio governo para reajustar o salário dos servidores da segurança pública, recebeu críticas da base e o secretário de Governo Bilac Pinto (DEM) se retirou do cargo.

Paulo Brant argumentou que o Partido Novo precisa entender a necessidade de exercitar a articulação política necessária para a aprovação das reformas necessárias a Minas Gerais. “O Partido Novo no Brasil tem escolhido manter-se à margem das coalizões, com o intuito principal de zelar pelo seu programa partidário, deixando em segundo plano as exigências da responsabilidade política que priorizam a governabilidade e o funcionamento do Estado em benefício dos cidadãos”, diagnosticou.

PUBLICIDADE

Leia também:  Convidado a ser candidato a presidente pelo NOVO fala em 'alternativa de centro'

Brant afirmou ainda que a chapa que formou com Romeu Zema teve muito mais votos do que a representação do NOVO na Assembleia Legislativa, o que sugeriria, em sua avaliação, certa independência entre a chapa eleita e o partido.

Razões da crise

Apesar de a proposta original de reajuste de Zema ter sido de 41,7% para toda a área da segurança, o projeto acabou sendo sancionado com apenas 13% para o ano de 2020, reduzindo o impacto de R$ 9 bilhões para R$ 1,1 bilhão. Mesmo assim, a ideia atraiu questionamentos do governo federal, do próprio Partido Novo e até do governador de São Paulo, João Doria, preocupados com a austeridade fiscal.

Porém, o descumprimento do acordo do governo mineiro com parlamentares que defendiam as forças de segurança fez com que o secretário Bilac Pinto entregasse o cargo, alegando incapacidade de conduzir negociações com o Legislativo diante disso. O governo Zema enfrenta uma verdadeira prova de fogo com a ameaça de ficar sem sustentação.

PUBLICIDADE

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?