fbpx

Brasil e EUA celebram acordo que pode incrementar forças militares

Acordo de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação é inédito e classificado como "histórico" por almirante norte-americano; agora, Brasil terá acesso a experiências, equipamentos e mercado americano bélico
Foto: Alan Santos/Presidência da República

Os governos do Brasil e dos Estados Unidos formalizaram neste domingo (8), na Florida, mais um acordo militar. Com o título de “Acordo de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação”, a medida deve ampliar o nível de parceria entre ambos os países, bem como entre o Brasil e a Otan. A assinatura ocorre um dia após os presidentes Donald TrumpJair Bolsonaro jantarem juntos e por ocasião da visita do presidente brasileiro – a quarta no governo – aos Estados Unidos. [1][2]

Em nota, o Ministério da Defesa explicou que o acordo “abre caminho para que os dois governos desenvolvam futuros projetos conjuntos alinhados com o mútuo interesse das partes, abrangendo a possibilidade de aperfeiçoar ou prover novas capacidades militares”.

Leia também:  Financial Times destaca corrupção e sensação de impunidade no Brasil

[wp_ad_camp_1]

Comandante do Comando Sul – departamento de defesa dos Estados Unidos responsável por operações de paz e guerra na América Central e do Sul -, o almirante Craig Faller destacou que a celebração do acordo é um momento “histórico” e deve ampliar o compartilhamento de experiências militares entre os países. Agora, o acordo precisará ser aprovado pelo Congresso Nacional.

Consequências

Na prática, uma vez ratificada, a parceria deve ampliar o intercâmbio tecnológico e comercial entre as defesas dos Estados Unidos, do Brasil e da OTAN, cuja maior parte dos países têm acesso ao mercado americano.

Além de poder ampliar as exportações de produtos militares, o Brasil deve poder ter acesso a equipamentos mais modernos e usados pela Organização do Tratado do Atlântico da Norte, aliança militar integrada pelos principais países europeus, Estados Unidos e Canadá. Em 2019, o Brasil foi reconhecido como “aliado extra-OTAN dos Estados Unidos”.

Leia também:  Bolsonaro pode ser preso? Juristas explicam

[wp_ad_camp_3]

Compartilhe essa notícia:

Assine o Boletim da Liberdade e tenha acesso, entre outros, às edições semanais da coluna panorama

plugins premium WordPress
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?