fbpx
PUBLICIDADE


Partidos e grupos anti-Bolsonaro planejam reagir à manifestação do dia 15

Movimentos, centrais sindicais e partidos que se opõem ao governo federal estão arquitetando reuniões e manifestações de rua em resposta ao ato bolsonarista

- Publicado no dia
Manifestação contra Bolsonaro em setembro de 2018 (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Em outras oportunidades, aconteceu da mesma forma: massas verde-e-amarelas se aglomeravam e, logo depois, manifestações em tons de vermelho respondiam. Os partidos e movimentos de oposição ao governo Bolsonaro começaram a divulgar nesta quarta-feira (26) a intenção de reagir à manifestação a favor do presidente e para pressionar o Legislativo marcada para o próximo dia 15 de março. [1]

Entidades sindicais e frentes de organizações e movimentos como Povo Sem Medo e Brasil Popular agendaram para esta quinta-feira (27) uma reunião para definir um calendário de manifestações. As centrais sindicais divulgaram uma nota alegando que o presidente “ignora a responsabilidade do cargo que ocupa pelo voto e age, deliberadamente, de má-fé, apostando em um golpe”.


PUBLICIDADE



A nota sugere ainda que Jair Bolsonaro pode ter cometido crime de responsabilidade e cobra um posicionamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Uma das datas para manifestações, planejada para ser nacional, está prevista para o dia 18 de março, em que já estava marcada uma paralisação de professores. Os movimentos também devem ir às ruas antes em 8 de março, Dia Mundial da Mulher.

Além disso, outras entidades, como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), se reunirão com cinco partidos (PT, PSB, PDT, PCdoB e PSOL) na próxima segunda-feira (2). A expectativa dos grupos oposicionistas é trazer novos aliados através da chancela dessas entidades.

O PT e o impeachment

Apesar da mobilização, os grupos oposicionistas se dividem quanto à oportunidade de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro. O Partido dos Trabalhadores, por exemplo, está diretamente envolvido nas mobilizações, mas não quer pedir o impeachment, segundo a Folha. O motivo é que, embora a legenda acredite que há substância jurídica para uma argumentação favorável, o processo não teria viabilidade. [2]


PUBLICIDADE



Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.