fbpx
PUBLICIDADE

Deputada do PSOL homenageia Lênin e liberais relembram passado do genocida

Deputada federal Talíria Petrone afirmou que revolucionário russo "pelo exemplo e pelos escritos é eterno" e chocou seguidores, liberais e democratas, diante dos feitos cruéis ordenados pelo russo
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL/RJ) gerou indignação entre internautas e liberais ao, na manhã desta terça-feira (21), por ocasião dos 96 anos do falecimento de Lênin, afirmar que o líder da Revolução Russa “pelo exemplo e pelos escritos é eterno”. Grupos como o Livres e personalidades ligadas à entidade relembraram nas redes sociais o passado do revolucionário.[1]

PUBLICIDADE

A associação liberal classificou o elogio como um “fetiche da velha esquerda brasileira por ditadores sanguinários” e defendeu que sejam repudiados “com veemência” todo o apreço a ícones autoritários, como Lênin.  [2]

O deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Chicão Bulhões (NOVO), por sua vez, afirmou que “a ética da esquerda é relativa” e classificou Lênin como um “genocida”. “Matou milhões de pessoas, perseguiu opositores, construiu campos de concentração”, disse, chamando ainda a homenagem a ditadores como “algo repulsivo”. [3]

PUBLICIDADE

Nesse caminho, também investiu o deputado estadual Daniel José (NOVO/SP), que assim como Bulhões é associado ao Livres. “Parece que, para o PSOL, esse assassino está liberado cultuar”, comentou o parlamentar.

O cientista político Magno Karl, igualmente ligado ao Livres, publicou nas redes uma carta de Lênin datada de 1918 onde o revolucionário ordenava a execução sumária de pessoas.

“Há 96 anos morria Lênin, padroeiro dos cínicos que fingem defender a democracia perfilados com aqueles que a desprezam, que nos oferecem bolo e café nas eleições enquanto homenageiam quem mandou assassinar adversários, que dizem nos proteger do barbarismo homenageando os bárbaros”, pontuou. [4]

Essa não é a primeira vez, contudo, que um parlamentar do PSOL demonstra apoio a figuras controversas no que tange ao zelo pela democracia e pelos direitos humanos. Em dezembro, um vereador da sigla no Rio de Janeiro homenageou o ditador Kim Jong-Un, da Coreia do Norte, com uma Moção de Louvor. Na ocasião, outros membros do partido rechaçaram a homenagem.

PUBLICIDADE

Foto: Reprodução/Twitter
Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Você tem certeza que deseja cancelar sua assinatura?