fbpx
PUBLICIDADE

Toffoli derruba censura a especial do Porta dos Fundos após recurso da Netflix

Presidente do Supremo Tribunal Federal atendeu ao pedido da plataforma de streaming para liberar o filme da produtora de humor que retrata 'Jesus Gay'; exibição havia sido censurada após liminar de desembargador
Dias Toffoli (Foto: Evaristo Sá / AFP)
Dias Toffoli (Foto: Evaristo Sá / AFP)

Netflix, plataforma de streaming onde é exibido o polêmico especial de natal da produtora Porta dos Fundos, recorreu da decisão de censurar o especial e foi atendida pelo ministro Dias Toffoli no início da noite desta quinta-feira (9). [1][2]

A decisão é provisória e, apesar de ter como relator Gilmar Mendes, coube à Dias Toffoli por ser o presidente da corte e atender pedidos durante o recesso.

O ministro afirmou que “não é de se supor que uma sátira humorística tenha o condão de abalar valores da fé cristã, cuja existência retrocede há mais de 2.000 anos”.





Toffoli relembrou, ainda, que a “plenitude do exercício da liberdade de expressão [tem] como decorrência imanente a dignidade da pessoa humana e [é] meio de reafirmação/potencialização de outras liberdades constitucionais”.

A ação

A Ação Civil Pública é de autoria da associação Centro Dom Bosco, do Rio de Janeiro, formada por fiéis católicos conservadores.

A organização classificou o filme produzido pela Porta dos Fundos como um “ataque frontal, bárbaro e malicioso ao conjunto de crenças e valores que cercam a figura de Cristo” e que “atinge, em cheio, a expressão da dignidade de todo esse numeroso grupo de homens e mulheres tementes a Deus”, referindo-se aos católicos. Na produção, Jesus é retratado como homossexual.





“Não há direitos absolutos em nosso ordenamento jurídico, de modo que a ofensa deliberada e vil à crença alheia não deixa de ser injurídica porque revestida de forma artística”, destacou ainda a peça, que pediu ainda que seja o Porta dos Fundos seja condenado à pagar pelo menos R$ 2 milhões em verba indenizatória, o que seria “correspondente a R$ 0,02 por brasileiro que professa a fé católica”.

Na liminar em segunda instância assinada pelo desembargador Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, houve o destaque que “as liberdades de expressão, artística e de imprensa são primordiais e essenciais na democracia”, mas “não podem servir de desculpa ou respaldo para toda e qualquer manifestação, quando há dúvidas sobre se tratar de crítica, debate ou achincalhe”. A decisão provisória favorável ao Centro Dom Bosco e que retirou o filme do ar também foi justificada “para acalmar ânimos”.

+ Personalidades e grupos liberais criticam censura a filme do Porta dos Fundos





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama