fbpx
PUBLICIDADE

Presidente afastado da Fundação Palmares responde a artigo de Paulo Cruz

O presidente afastado da Fundação Palmares e o colunista da Gazeta do Povo são ambos críticos da abordagem tradicional das esquerdas sobre o problema racial
Sergio Camargo (Foto: Reprodução/Metrópoles)
Sergio Camargo (Foto: Reprodução/Metrópoles)

Afastado do cargo liminarmente devido a uma ação popular, o presidente nomeado por Jair Bolsonaro para a Fundação Palmares, Sérgio Camargo, se manifestou nesta terça-feira (17) sobre artigo do professor Paulo Cruz, conhecido por ser também crítico das esquerdas ligadas ao movimento negro. Os dois textos foram publicados na Gazeta do Povo.

Sérgio Camargo foi atacado por declarações consideradas controversas para alguém indicado à direção de um órgão destinado à “preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira”. Entre outras afirmações, ele defende que Zumbi dos Palmares, que dá nome à fundação, é um “falso herói” e que “não há salvação” para o movimento negro.

Paulo Cruz, apesar de também ser crítico contumaz dos ativistas da causa e estar ligado ao pensamento conservador, redigiu um texto crítico ao presidente da Fundação. Ele comentou que a postura “absurda e caricata” de permear a discussão sobre o racismo de “um radicalismo eivado daquele sentimentalismo tóxico que paralisa e elege algozes e vítimas de maneira absolutamente inconsequente” acabou produzindo “seu duplo”, representado por Sérgio Camargo, “um ilustre desconhecido cujas declarações em redes sociais o transformam numa das escolhas mais controversas do governo”. [1]





A resposta

Sérgio Camargo reagiu em artigo intitulado “Negritude vermelha”. Ele disse que Paulo Cruz manifestou apenas a dor “de ter sido preterido para o cargo que talvez lhe coubesse melhor”. O presidente afastado da Fundação Palmares critica Paulo Cruz ainda por ser “verborrágico e confuso” e por usar como referência Abdias do Nascimento, “lugar comum da esquerda racialista”. [2]

Camargo enfatizou que Abdias idealizou o Memorial Zumbi e o Movimento Negro Unificado, fundou o PDT junto a Leonel Brizola e era contrário a relacionamentos inter-raciais, apesar de ser casado com uma mulher caucasiana. “Essa é uma das inúmeras contradições das reflexões de Cruz”, sentenciou. Para ele, a declaração de Cruz de que não deseja o fim do movimento negro “é uma das afirmações mais isentistas e despidas de coragem de toda a história dos debates raciais do planeta”.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama