fbpx
PUBLICIDADE

Aumentam rumores de que Weintraub poderá deixar Ministério da Educação

Dentre as principais críticas que o ministro sofre, está o comportamento exagerado nas redes sociais, muitas vezes agressivo com internautas, bem como o fato de ter entrado em choque com parte do núcleo ideológico
Abraham Weintraub (Foto: Reprodução / Youtube)

Abraham Weintraub (Foto: Reprodução / Youtube)

O presidente Jair Bolsonaro deve promover pelo menos três substituições no primeiro escalão ministerial com vistas à renovação do governo para o ano de 2020. A informação já circula há tempos e envolveria a troca de comando da Casa Civil, Minas e Energia e nova mudança no Ministério da Educação. [1]

A postura agressiva nas redes do ministro Abraham Weintraub, que assumiu a pasta em abril após a demissão de Ricardo Vélez, estaria incomodando o Planalto. O próprio governo poderia estar ficando desmoralizado com a conduta do economista, que é alvo de sucessivas críticas e convocações nas comissões do Congresso.

Outra versão que circula nos bastidores de Brasília é que o ministro caiu em desgraça com parte do núcleo ideológico. No alvo da controvérsia, a perspectiva de que o MEC não renovará parceria com a TV Escola, emissora que pertence a uma associação independente, mas que vinha sendo influenciada por “olavistas”.





Na avaliação desse grupo, a TV Escola começava a, finalmente, ter um papel mais alinhado à direita – ou menos marxista – e que seria, portanto, um erro desfazer esse trabalho construído ao longo do ano. Como noticiado pelo Boletim, a emissora inclusive firmou uma parceria com a produtora gaúcha Brasil Paralelo, especializada no mercado de direita, para exibir uma série de documentários ao longo da semana. [2]





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama