fbpx
PUBLICIDADE


Brasil reconhece conservadora Jeanine Áñez como nova presidente da Bolívia

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, afirmou que em sua compreensão a constituição boliviana está seguida pelo fato de que houve renúncia de quem estava à frente da linha de sucessão

- Publicado no dia
Foto: Aizar Raldes/AFP

O caos generalizado na Bolívia, iniciado com as controversas eleições de outubro e agravado com a renúncia e o exílio do presidente Evo Morales, teve mais um capítulo na noite desta terça-feira com a autoproclamação de Jeanine Álvez no palácio presidencial, em La Paz. [1][2]

De viés conservador, Álvez era a segunda vice-presidente do Senado Federal e, após a renúncia do presidente e do vice-presidente da República, bem como do presidente e do primeiro vice-presidente do Senado – todos aliados a Morales  -, coube a ela o primeiro lugar na linha sucessória. O Itamaraty reconheceu Jeanine no posto.

“Foi declarada vaga a presidência e ela assumiu a presidência do Senado, que também estava vaga. Assim, assume constitucionalmente a presidência [da Bolívia]. A Constituição boliviana está sendo seguida e [assume] interinamente, claro, com o compromisso de convocar eleições”, avaliou ao jornal Folha de S. Paulo o ministro das Relações Exterores do Brasil, Ernesto Araújo. [3]

Jeanine Álvez era oposição a Morales e tem um viés conservador. Ela assume com o apoio das forças políticas contrárias a Morales, incluindo militares e o candidato derrotado na polêmica eleição de outubro, Carlos Mesa. No entanto, a sessão que legitimou sua posse não contou com o quórum previsto na Constituição devido a ausência dos senadores apoiadores de Morales.

“Assumo de imediato a Presidência do Estado e me comprometo a tomar todas as medidas necessárias para pacificar o país”, prometeu Álvez na sacada do palácio presidencial.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.