fbpx
PUBLICIDADE

Deputados do PSL em divergência sobre obstrução para PEC de 2ª instância

Joice Hasselmann divulgou lista com parlamentares do PSL que apoiam obstrução para acelerar PEC para alterar CF, enquanto que Eduardo mostrou-se preocupado com travamento da pauta; PL pode substituir PEC
Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

Nem o antipetismo, ao que parece, será capaz de unir os dois lados do PSL. Na tarde deste sábado (9), dia seguinte da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a deputada federal Joice Hasselmann (PSL/SP) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP) já deram um indicativo nas redes de um discurso pouco afinado sobre o tema.

PUBLICIDADE

No Facebook, Joice publicou uma imagem com o título “Pressão” e os dizeres”nós, deputados do PSL, vamos obstruir todas as pautas até que a PEC da 2ª instância seja colocada em votação”.

Abaixo da arte, foi apresentada uma listagem com 20 parlamentares que, supostamente, apoiariam a iniciativa – todos eles da considerada “ala bivarista”, com a ausência de Eduardo, filho do presidente e líder da bancada. [1]

PUBLICIDADE

Nas redes, Eduardo Bolsonaro, instado por seguidores a comentar o assunto, mostrou-se cético quanto à estratégia. Ponderou que dificuldades técnicas para a aprovação de uma PEC poderiam travar outras pautas no Congresso.

“Se obstrução for efetiva [para que o projeto seja votado], conte comigo na liderança do PSL. Mas o que os técnicos me dizem é que se aprovada na CCJ, a PEC 410/2018 (prisão em 2ª instância) precisa passar por comissão especial e cumprir prazos regimentais. Ou seja, dificilmente conseguiríamos aprová-la ainda esse ano”, destacou. [2]

Leia também:  PGR concorda com pedido do NOVO sobre MP do Marco Civil

Na sequência, o parlamentar afirmou ainda que “assim não faria sentido uma obstrução, pois ela não traria nenhuma celeridade para a aprovação da PEC e apenas travaria todas as demais pautas”. Eduardo prometeu, no entanto, mudar o posicionamento “se for provado o contrário”.

Foto: Reprodução/Facebook

Como se sabe, a estratégia original de travar a pauta do Congresso por meio de medidas conhecidas como “obstrução” contou com o endosso do Partido Novo.

PUBLICIDADE

Plano B é projeto de lei

Os deputados federais Kim Kataguiri (DEM/SP) e Gilson Marques (NOVO/SC) apostam que um projeto de lei pode ser suficiente para fazer com que as prisões voltem a ser executadas em segunda instância.

O argumento dos políticos é que, na verdade, o inciso LVII do artigo 5º da Constituição Federal trata apenas da culpabilidade, e não da execução da pena.

Na última sexta-feira (8), Marques chegou a protocolar o PL 5932/2019 que prevê a alteração do artigo 283 do Código de Processo Penal (CPP), que trata do início da execução das penas, enquanto que Kim iniciou um abaixo-assinado nas redes sociais que contou com mais de 100 mil assinaturas em menos de 24 horas.

PUBLICIDADE

Leia também:  Marcel revela incômodo sobre comunicações políticas de curto prazo do NOVO

“Pela decisão proclamada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Dias Toffoli, portanto, a norma do art. 283 do CPP, que não se confunde com o princípio da presunção da inocência, mas apenas o garante, pode ser alterada por meio de mera lei ordinária, desde que respeite aquele princípio”, afirma Marques na justificativa do projeto. [3]

A proposta de emenda constitucional – PEC 410/2018

O principal projeto que deve ser votado a partir da próxima segunda-feira é o do deputado federal Alex Manente (Cidadania/SP), que já está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos dos Deputados, e que quer alterar o artigo 5º da Constituição Federal. [4]

Como é:

PUBLICIDADE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL (1988) – EM VIGOR

“Artigo 5º […] LVII – ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;”

Mudança Proposta:

CONSTITUIÇÃO FEDERAL (1988) – PROPOSTO PELA PEC 410/2018

“Artigo 5º […] LVII – ninguém será considerado culpado até a confirmação de sentença penal condenatória em grau de recurso.”

A proposta em forma de projeto de lei – PL 5932/2019

Leia também:  Fux sugere que comportamento de Bolsonaro pode ser crime de responsabilidade

Protocolado na última sexta-feira (8), a mudança do deputado federal Gilson Marques (NOVO/SC) tem como principal ponto forte a maior facilidade de aprovação. O ponto negativo é que está no início da tramitação.

Texto Original:

PUBLICIDADE

CÓDIGO PROCESSUAL PENAL (1941) – EM VIGOR

“Art. 283. Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva. (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).”

Mudança proposta:

CÓDIGO PROCESSUAL PENAL (1941) – COMO FICARIA

“Art. 283. Ninguém poderá ser preso senão em:

I – flagrante delito, por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente;

II – em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado;

III – no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva; ou

IV – para execução provisória da pena, após confirmação da
condenação do réu em julgamento por órgão judicial
colegiado”

Compartilhe essa notícia:

Leu até aqui? Siga nas redes!

MARCAS APOIADORAS

Podcast

O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama