fbpx
PUBLICIDADE

Centrão pode criar mecanismos para prejudicar Partido Novo e RenovaBR

Reportagem do jornal 'Estado de S. Paulo' afirma que, nos bastidores, há grande incômodo com o fato de partidos como o NOVO e o curso de renovação RenovaBR obterem grande apoio de pessoas físicas
Paulinho da Força, além de deputado, é sindicalista (Foto: Ivaldo Cavalcante)

Cada vez mais incomodados com a ascensão de quadros da “nova política” no Congresso Nacional, um grupo de parlamentares ligados ao “Centrão” (conjunto de partidos fisiológicos composto, principalmente, por DEM, Progressistas, Partido Liberal, Solidariedade e Republicanos) estuda possibilidades de enfraquecer o financiamento privado de organizações que têm obtido destaque fora da política tradicional. [1]

A informação, publicada originalmente pelo jornal O Estado de S. Paulo neste domingo (6), dá conta que os principais alvos seriam o Partido Novo e o curso de política RenovaBR, cuja primeira turma conseguiu eleger diversos parlamentares em 2018.

Segundo a publicação, a principal queixa seria o fato de essas organizações conseguiram obter grande volume de doações de pessoas físicas – o NOVO, por exemplo, teria obtido R$ 17 milhões em 2018.





Para combater isso, dentre as propostas que estariam sendo estudadas, estaria até mesmo a redução do limite de doações possíveis a partidos fora das eleições, bem como o fim da possibilidade de “bolsas” a novos políticos.

Como se sabe, em 2018, o RenovaBR – ligado ao apresentador da TV Globo, Luciano Huck – pagou bolsas a pré-candidatos que foram selecionados para a primeira turma de renovação política.

Ao jornal, o controverso deputado Paulinho da Força (Solidariedade/SP) considerou as bolsas “uma distorção que têm que acabar”.





O Boletim da Liberdade tem um propósito: reportar diariamente fatos sobre a liberdade no Brasil e no mundo…

mas nós precisamos da sua ajuda para continuar esse trabalho.

➡ Se você consome e aprecia nosso conteúdo, considere fazer uma assinatura. Com a sua contribuição mensal, você ajuda a manter o site no ar (os custos são realmente altos) e ainda possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga e interaja em nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos.

Colunas mais recentes

Assine o Boletim da Liberdade e receba todas as segundas-feiras a coluna Panorama