fbpx
PUBLICIDADE


Bolsonaro diz que gostaria que trabalho forçado de presos fosse permitido

O presidente concedeu entrevista coletiva na cidade de Anápolis e foi questionado sobre a segurança dos detentos deslocados da prisão de Altamira, no Pará

- Publicado no dia
Jair Bolsonaro (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro, em coletiva de imprensa em Anápolis/GO nesta quarta-feira (31), defendeu mais um de seus costumeiros pontos de vista a respeito da segurança pública. Ele disse que gostaria que “tivesse trabalho forçado no Brasil”.

O comentário surgiu em um contexto em que Bolsonaro foi questionado acerca da morte de mais quatro presos, encontrados com sinais de sufocamento, dentro de caminhão que os transportava de Altamira para Belém.  As mortes tem lugar no cenário de confronto entre facções que levou à morte ao menos 58 detentos no Pará.


PUBLICIDADE



O presidente, questionado se pretendia fornecer alguma ajuda ao estado, disse que conversará com o ministro Sérgio Moro. “Problemas acontecem”, disse Bolsonaro. “Eu sonho com presídio agrícola, eu sonho; eu sei que mudar o artigo 5º da Constituição, é cláusula pétrea, mas queria que tivesse trabalho forçado no Brasil para esse tipo de gente, mas a gente não pode forçar a barra”, opinou.

Bolsonaro logo em seguida se recusou a responder a uma pergunta sobre as declarações da ex-presidente Dilma à Folha de S. Paulo, em que ela disse que os aliados estão abandonando o presidente. Bolsonaro também enalteceu o trabalho do Ministério de Infraestrutura e a aproximação do Brasil com os EUA de Donald Trump. Confira o vídeo:

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.