fbpx
PUBLICIDADE


Derrubada de perfil no Twitter faz surgir na rede social hashtag ‘Direita Censurada’

Grupo “Isentões” tinha quase 300 mil seguidores e vinha se destacando por repercutir denúncias e revelar documentos de personalidades públicas; para influenciadores, medida seria uma ‘censura’ do Twitter

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/Twitter

Internautas brasileiros levantaram na tarde desta quarta-feira (31) no Twitter a hashtag “#DireitaCensurada” para protestar contra a derrubada do perfil denominado “Isentões” na rede social. O grupo tinha quase 300 mil seguidores. [1]

A página, que nasceu como uma sátira política dos tucanos e possuía um viés de direita, afirmava ser “pioneira em postar threads [tópicos] com gastos inconsistentes do dinheiro público” e “ser conhecida por desmascarar a hipocrisia da narrativa corrupta que impera na esfera política”. [2]


PUBLICIDADE



Ativistas e formadores de opinião como o conservador Leandro Ruschel repercutiram que a derrubada do perfil veio após a divulgação de um suposto recebimento de recursos públicos de uma empresa da qual o jornalista Edgar Piccoli seria sócio. A principal associação que o perfil tinha feito é que o Piccolli tinha motivos pessoais para não estar satisfeito com o governo Bolsonaro.

Nas redes sociais, o jornalista criticou a publicação da página, classificando-a como um “crime”, e falou que recebeu apenas uma “fração” de uma “ação do Ministério da Saúde na Jovem Pan”. [3]

Edgar, como se se sabe, é âncora do programa “Morning News” e, nesta terça-feira (30), antagonizou uma ríspida discussão ao vivo com o comentarista Caio Coppola, de viés de direita. [4]

“A galera que se coloca em defesa da liberdade de expressão para o Verdevaldo [n.e.: Glenn Greenwald], na sua cruzada para tirar da cadeia o chefe de quadrilha petista usando o crime e a manipulação, é a mesma que comemora a censura ao perfil ‘Isentões’ no Twitter”, criticou.

Dentre outras publicações já feitas pelo perfil “Isentões”, está uma do dia 20 de julho com denúncias contra o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B). Recentemente, o perfil vinha também repercutindo ações e realizações do presidente Jair Bolsonaro, inclusive com retuítes. [3]

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.