fbpx
PUBLICIDADE


Jornalista revela mais fatos omitidos pela diretora de ‘Democracia em Vertigem’

Análise pubicada no jornal ‘O Estado de S. Paulo’ revela, por exemplo, que os pais da diretora Petra Costa, que narra o filme em primeira pessoa, nunca teriam sido efetivamente da clandestinidade, como ela alegou

- Publicado no dia
Petra Costa (Foto: Divulgação)

O documentário Democracia em Vertigem, que estreou no Netflix no dia 19 de junho e propõe uma leitura da crise política no país com um viés de esquerda, pode ter mais ficção do que se imagina. Ao menos é essa a análise publicada no jornal O Estado de S. Paulo pelo jornalista e dramaturgo Astier Basílio no último dia 17. [1]

De acordo com o levantamento feito pelo profissional, os pais da diretora Petra Costa nunca foram, efetivamente, da “clandestinidade”, como ela mesmo sublinha no filme. Segundo ele, essa afirmação “não passa de uma fantasia lírica”.

“Quando [Petra] afirma que por dez anos o paradeiro de seus genitores foi desconhecido dos parentes, há só parte da informação. Todos os anos, os pais de Petra visitavam a família em Belo Horizonte. Era, portanto, uma clandestinidade que permitia férias”, afirma.


PUBLICIDADE



Outros pontos destacados pelo crítico é que a mãe de Petra, Marília Andrade, que aparece no filme, é filiada ao PT desde 1997. Já o pai, Manoel Costa Júnior, foi não apenas filiado ao PMDB, como deputado federal e secretário de Estado do então governador Aécio Neves, de Minas Gerais.

Ao contrário do que pode parecer no filme, ambos também teriam chegado a participar concretamente dos negócios da empreiteira Andrade Gutierrez, da qual Petra é herdeira.

“Em alguns momentos no documentário, a mãe de Petra dá sua opinião como se fosse uma pessoa alheia aos negócios da família. Como se fosse uma comentarista política neutra a avaliar a realidade brasileira e a criticar a burguesia. Marília, acionista nas empresas da família e pecuarista, sempre atuou nas empresas do grupo”, revela Astier. Como se sabe, a Andrade Gutierrez é uma das empresas que foram arroladas na Operação Lava Jato.

Leia a análise completa do jornalista clicando aqui.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.