fbpx
PUBLICIDADE


Lideranças do MBL criticam postura de revista em matéria sobre documentário

Coluna do jornalista Guilherme Amado, no site da revista ‘Época’, enfatizou no título que MBL “esconde quem pagou pela produção” do documentário sobre o impeachment que será lançado no segundo semestre

- Publicado no dia
Foto: Reprodução/YouTube

O Movimento Brasil Livre lança no início de setembro o documentário “Não foi golpe”, que conterá imagens inéditas do movimento e narrará os bastidores do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Uma matéria publicada pela revista Época divulgando o filme na última quarta-feira (26), contudo, não agradou as principais lideranças da entidade. [1][2]

Publicada na coluna do jornalista Guilherme Amado, a matéria traz como título que o “MBL esconde quem pagou a produção”. No corpo do texto, complementa que o “MBL afirma ter financiado a obra, cujo valor não revela, tampouco a origem do dinheiro”.


PUBLICIDADE



Em vídeo divulgado na noite da quarta (26), Renan Santos explicou que respondeu todas as perguntas feitas pela jornalista que entrou em contato com eles.

Foto: Reprodução/Época

“Quem vê esse título, imagina que alguém muito pilantra pagou para que fosse feito o documentário do MBL. Por exemplo, o Eduardo Cunha, o Michel Temer, o Bolsonaro… os irmão Koch, alguém muito sujo. Aí o MBL foi interrogado pelo ‘jornalismo de qualidade’ e o MBL falou que não ia falar. O leitor vai pensar: ‘Que picaretas'”, desabafou.

Renan complementou ainda que a entidade tem uma estrutura, ampla experiência com a produção de vídeos e muito material acumulado, portando tem total capacidade de produzir um filme – o que havia sido questionado pela repórter. Quem também se manifestou sobre a matéria foi Alexandre Santos, o “Salsicha”, que co-dirigiu a produção:

“O que a gente teve que fazer para a produção do documentário foram entrevistas, animações, áudios, o que é um orçamento muito menor e saiu do caixa do MBL. Fico muito triste de ter saído do caixa do MBL, a gente foi atrás de outras pessoas. A gente queria ter na abertura do documentário patrocínios, empresas, que quisessem doar para aparecer. Não quiseram, não puderam, sem problema, por isso fizemos tudo aqui de dentro. Mas fiquei indignado com a matéria porque parece que é uma produção de R$ 5 milhões”, afirmou o diretor.

+ Assista trailer do filme do MBL clicando aqui

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.