fbpx
PUBLICIDADE


Israel passará por nova eleição após Netanyahu não formar maioria no Knesset

Conflito político na direita israelense impediu consenso e união necessária para dar governabilidade ao primeiro ministro Benjamin Netanyahu; é a primeira vez na história de Israel que processo ocorre

- Publicado no dia
Bolsonaro cumprimenta Benjamin Netanyahu no Forte de Copacabana, poucos dias antes da posse (Foto: Fernando Frazão/Agência Braisl)

Após ter se sagrado vitorioso nas eleições parlamentares que ocorreram no início de abril, o premiê israelense Benjamin Netanyahu enfrentará novamente as urnas em novas eleições gerais. [1]

A decisão de se dissolver veio do próprio parlamento israelense, o Knesset, nesta quarta-feira (29), após o partido de Netanyahu, o Likud, não conseguir conquistar maioria (62 congressistas) no tempo necessário.

Sem a governabilidade mínima, o governo poderia ser transmitido para o partido de oposição Azul e Branco, que ficou em segundo lugar. Para impedir esse cenário, o próprio Likud e Netanyahu defenderam um novo pleito.

De acordo com a imprensa internacional, a base de sustentação do premiê isralense acabou se dividindo após as eleições. Uma das razões para essa divisão tem motivação religiosa: a bancada secular da direita defendia o fim de isenção de ortodoxos no alistamento obrigatório. As tentativas de negociação não prosperaram.


PUBLICIDADE



Assim como a política brasileira, os políticos israelenses também trocaram acusações no processo político. Segundo o portal israelense Haaretz, em momento de maior estresse, Netanyahu chegou a chamar um de seus então aliados, o ex-ministro da defesa Avigdor Lieberman, de esquerdista e de acusá-lo de atuar para derrubar governos de direita.

A acusação, no entanto, é curiosa. Lieberman faz parte do Yisrael Beitenu, legenda de viés nacionalista e crítica a concessões à Autoridade Palestina. [2]

O jornal Jerusalem Post sinaliza que “foi a primeira vez na história de Israel que um candidato a primeiro-ministro não conseguiu formar uma coalizão”. [3]

A dissolução do Knesset ocorre um mês após a posse oficial. A nova eleição ficou marcada para o dia 17 de setembro.

★ ★ ★

Nós criamos o Boletim da Liberdade porque acreditamos em um jornalismo sério, independente e de viés liberal. Você pode ajudar esse projeto.

Para que possamos manter e melhorar nossa missão de organizar, divulgar e apurar informações de interesse público, tornando-as acessíveis para todos, precisamos da sua ajuda. Se você é um entusiasta do Boletim, colabore fazendo uma assinatura. Com menos de R$ 10 ao mês, você ajuda a viabilizar um jornalismo mais plural e democrático no Brasil e tem acesso a conteúdos exclusivos.

Apoie a mídia independente: curta nossa página.


Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



Leia também
error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.