fbpx
PUBLICIDADE


Livres chama de ‘barbárie estatal’ ação do Exército que matou músico

Em rede social, movimento Livres critica Exército após fuzilamento de carro que culminou a morte de um músico com 80 tiros no Rio de Janeiro

- Publicado no dia
Carro fuzilado por ação do Exército (foto: reprodução/R7)

O movimento suprapartidário Livres criticou na manhã desta segunda feira (8) a ação do Exército que culminou na morte de um músico no Rio de Janeiro neste domingo (7).

“Lógica do ‘atira primeiro, pergunta depois’ é criminosa: vai contra nossa Lei. Matou família”, disse a nota divulgada nas redes sociais da entidade, observando que uma família foi ‘fuzilada’ com mais de oitenta tiros.


PUBLICIDADE



Por fim o Livres afirmou que a melhor solução contra a “barbárie estatal” é o “rigor da lei, com punição com o devido processo” e sugeriu “mais inteligência e menos afobação”.

★ ★ ★

Se você acompanha e aprecia o trabalho jornalístico do Boletim da Liberdade, e valoriza a importância de existir um veículo profissional com viés liberal, pedimos que:

➡ Considere fazer uma assinatura solidária ao Boletim. Com uma contribuição mensal, você ajuda que o site continue no ar e possibilita o nosso crescimento. Além disso, recebe benefícios exclusivos. Temos vários projetos na mesa que só serão viabilizados com maior quantidade de assinantes. Saiba mais e assine agora mesmo.

➡ Siga nossas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), inscreva-se em nossa newsletter gratuita semanal e entre em nosso grupo do WhatsApp para recebimento de conteúdos. Curta nossas publicações, compartilhe-as para seus amigos e fale do site para conhecidos e familiares liberais. Toda ajuda faz diferença.

Curta nossa página no Facebook

Notícias no WhatsApp
O sexto grupo do Boletim da Liberdade no WhatsApp está com vagas abertas. É por tempo limitado. Entre apenas caso tenha interesse em notícias sobre política e economia com um viés liberal. Clique aqui para entrar.
Siga-nos no Twitter

Comentários


Receba nosso conteúdo por e-mail



error: Não é permitida a reprodução do conteúdo sem prévia autorização.